Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

LAVAGEM DE DINHEIRO

STF encerra sessão e julgamento fica para depois do Carnaval

27 FEV 14 - 15h:30FOLHAPRESS

O STF (Supremo Tribunal Federal ) encerrou hoje mais uma sessão do julgamento do mensalão, deixando para depois do Carnaval a conclusão dos últimos recursos do processo.

Na tarde de hoje, os ministros do Supremo ouviram advogados e acusação sobre os embargos infringentes que questionam a condenação pelo crime de lavagem de dinheiro, para os réus que tiveram no primeiro julgamento quatro votos pela absolvição. Um dos autores do recurso é o ex-presidente da Câmara dos Deputados, João Paulo Cunha (PT-SP).

Segundo o advogado de Cunha, Pierpaolo Bottini, não houve a tentativa de esconder o recebimento do dinheiro. "Não parece aqui que exista ocultação, que exista dissimulação. A esposa foi ao banco durante o dia, pegou os R$ 50 mil e assinou um recibo. Se houve ocultação está contido no crime de corrupção passiva, pelo recebimento indireto", argumentou o defensor.

O julgamento deve ser retomado em 13 de março. Na manhã desta quinta, o Supremo encerrou a análise dos recursos sobre o crime de quadrilha. O STF mudou o entendimento que havia tomado em 2012 e agora absolveu oito réus do crime de quadrilha, entre eles, José Dirceu, Delúbio Soares e José Genoino. Para Dirceu e Delúbio, a absolvição significa de deixar de cumprir a pena em regime fechado. Eles, contudo, permanecem presos e condenados pelo crime de corrupção.

A diferença para o julgamento de 2012 foi a presença de dois ministros nomeados pela presidente Dilma Rousseff, que substituíram dois ministros que se aposentaram e haviam condenado os réus pelos crime de quadrilha. Foram justamente esses dois novos ministros, Luís Roberto Barroso e Teori Zavascki, que acompanham os colegas que já haviam votado pela absolvição e agora formaram a maioria.

Dois ministros que agora saíram vencidos, Joaquim Barbosa e Gilmar Mendes, criticaram a decisão. Barbosa, que é presidente do Supremo, falou que foi formada uma maioria "sob medida". Ele já havia, na quarta-feira, acusado Barroso de chegar ao tribunal com uma "fórmula prontinha" para absolver os réus.

"Uma maioria de circunstância, formada sob medida para lançar por terra todo o trabalho primoroso levado a cabo por esta corte. Levantou-se um recurso totalmente à margem da lei com objetivo específico de reduzir a nada o trabalho que fora feito. Sinto-me obrigado a alertar que a nação brasileira de que este é apenas o primeiro passo, porque essa maioria de circunstância tem todo o seu tempo a favor para continuar com a sua sanha reformadora", disse Barbosa.

No mesmo sentido, Mendes disse que uma nova maioria no Supremo pode revisar o julgamento do mensalão. "O julgamento se alongou e não precisava se alongar tanto. Dois colegas deixaram de integrar a corte. Quiçá no futuro, dali a pouco, a corte será várias vezes recomposta para a revisão do crime", disse. 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Homem é morto a tiros ao chegar na casa da namorada
PONTA PORÃ

Homem é morto com 16 tiros na fronteira

MUNDO

Manifestantes em mais de 150 países defendem meio ambiente

MUDANÇAS

Sancionada MP que permite que bancos abram aos sábados

Professores também podem lecionar no domingo
Deputado é criticado por <br> fazer copia e cola de lei federal
PROTEÇÃO DE DADOS

Deputado é criticado por
fazer copia e cola de lei federal

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião