Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

cinema

Steve McQueen diz que Hollywood ignora escravidão

4 JAN 14 - 16h:45FOLHA PRESS

O diretor Steve McQueen, que está atualmente divulgando seu aclamado "12 Anos de Escravidão", um dos favoritos ao Oscar, criticou Hollywood pelo que ele considera ser uma escassez de filmes sobre os escravos negros nos Estados Unidos.

Para McQueen, isso demonstra que a indústria cinematográfica quer "evitar o assunto". "A Segunda Guerra Mundial (1939-1945) durou cinco anos e há centenas e centenas de filmes sobre a Segunda Guerra e o Holocausto", disse o cineasta em entrevista à emissora britânica Sky News.

"A escravidão durou 400 anos e há menos de 20 filmes. Nós temos que reparar esse equilíbrio e olhar para esse período da história [a escravidão negra]."

Em seu último filme, McQueen traz o ator Chiwetel Ejiofor como Solomon Northup, figura histórica negra americana. Nascido livre, ele foi raptado em Washington e levado como escravo para trabalhar nas plantações da Louisiana, em 1841.

"12 Anos de Escravidão" conta ainda com Michael Fassbender, no papel de um latifundiário sádico, e Brad Pitt, numa participação pequena como um abolicionista (Pitt também é produtor do longa).

O filme foi indicado a sete Globos de Ouro. 

Nos Estados Unidos, onde o filme já está em cartaz, há diversos relatos de pessoas que deixaram as salas de cinema, incomodadas com a violência com a qual a escravidão é retratada. Mesmo assim, Ejiofor disse à Sky News que o roteiro suavizou alguns dos episódios pelos quais Northup passou na vida real.  

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Confira o seu astral para esta sexta-feira
OSCAR QUIROGA

Confira o seu astral para esta sexta-feira

CORREIO DO ESTADO

Confira o editorial desta sexta-feira: "Retomada consistente"

ARTIGO

Antonio Carlos Siufi Hindo: "República do baronato"

Promotor de Justiça aposentado
OPINIÃO

Juliana Maria Garippe: "Ser on-line é saber da importância do off-line"

Gerente de relacionamento

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião