Segunda, 18 de Dezembro de 2017

prisão preventiva

SP: mãe e padrasto de Joaquim são levados para presídio

6 JAN 2014Por Terra18h:15

A mãe e o padrasto do menino Joaquim Pontes Marques, denunciados pela morte do garoto, serão levados nesta segunda-feira para presídios de São Paulo. A Justiça aceitou o pedido de prisão preventiva feito pelo Ministério Público contra eles. As informações são da Agência Futura.

Natália Ponte e Guilherme Longo voltaram hoje à Delegacia de Investigações Gerais (DIG), em Ribeirão Preto, para cumprir trâmite legal, antes de serem encaminhados para o Centro de Detenção Provisória (CDP). Guilherme deve ser encaminhado ao CDP de Tremembé, enquanto Natália deve voltar à cadeia de Franca.

Natália, que havia deixado a cadeia há pouco mais de três semanas, onde cumpria prisão temporária, foi presa novamente no sábado. Ela foi denunciada pelo homicídio triplamente qualificado do próprio filho junto com padrasto do menino. A polícia e o MP acreditam que Guilherme matou Joaquim dentro da casa onde o menino vivia com ele e sua mãe com uma superdosagem de insulina e depois jogou o corpo num córrego. De acordo com a denúncia, Natália não participou do crime, mas foi omissa, já que conhecia o comportamento agressivo do acusado e não tomou nenhuma atitude para evitar que o crime ocorresse.

Justiça nega habeas corpus a mãe de Joaquim
Nesta segunda-feira, o Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), no plantão judiciário, negou habeas corpus impetrado pela defesa de Natália, que, junto com Guilherme, teve a prisão preventiva decretada na última sexta-feira (3).

O desembargador Luis Soares de Mello, que analisou o pedido, entendeu que a liminar “não pode ser outorgada neste momento de cognição sumária, em tempo de Plantão Judiciário". "O recesso forense se encerra no dia de hoje, certamente a prudência recomenda, para que não haja qualquer precipitação de julgamento, que a situação seja avaliada diretamente pelo próprio relator do caso”, disse na decisão.  

Leia Também