Terça, 20 de Fevereiro de 2018

Sonhando alto, Santos reencontra Wagner Mancini

11 OUT 2009Por 22h:30
     

        Da redação

        A 10ª rodada do Brasileirão voltará à lembrança de alguns personagens importantes da partida entre Santos e Vitória, nesta segunda-feira, às 17 horas, no Pacaembu. Foi no dia 12 de julho, em Salvador, que os destinos das duas equipes se cruzaram pela primeira vez neste ano. E o sabor amargo da goleada sofrida por 6 a 2 para o time baiano irá motivar os santistas a buscarem uma vitória que manteria, mesmo que ainda distante, o sonho de encostar no pelotão de frente do campeonato - está com 39 pontos, em 13º lugar.
        Naquele jogo em Salvador, ainda sob o comando de Vágner Mancini, o Santos sofreu sua pior derrota no ano, o que provocou a demissão do treinador - ele, inclusive, voltou logo depois para o Vitória, de onde tinha saído em fevereiro para assumir o time santista.
        "É claro que existe uma motivação especial em enfrentar o Santos, mas não haverá pressão em cima de mim. O que importa para mim hoje é só o Vitória", disse Vágner Mancini, sem querer polemizar. Vanderlei Luxemburgo, que ocupou seu lugar no comando santista duas rodadas depois da goleada em Salvador, reconhece o bom trabalho que o técnico fez no primeiro semestre, quando foi finalista do Paulistão, mas disse que a gangorra em que vive o Santos no Brasileirão se deve a um planejamento mal feito no início da temporada, quando o treinador era Vágner Mancini.
        "Quem não faz um planejamento correto passa a temporada ruim. Se estamos nesta situação é porque alguma coisa aconteceu de errado Estamos corrigindo. Quem não se prepara bem vai correr risco de rebaixamento", disse Luxemburgo.
        Nos números do Santos no Brasileirão, Luxemburgo mostra que a mudança no comando fez bem ao time. Enquanto Vágner Mancini teve aproveitamento de 43% dos pontos disputados, o rendimento do atual treinador já é de 52%. Mas o fato é que a posição santista no campeonato ainda está bem longe do esperado, o que exige um bom resultado nesta segunda-feira.
        Entre os jogadores do atual elenco que trabalharam com os dois técnicos há divergências em relação ao método de trabalho de cada um deles, mas nenhum trata a partida desta segunda-feira como uma revanche pessoal contra Vágner Mancini ou contra o Vitória.
        Neymar, por exemplo, diz que foi Vágner Mancini o primeiro técnico a confiar plenamente nele. "Enfrentava uma desconfiança e foi ele que me colocou para jogar pela primeira vez no profissional. Sempre me apoiou", disse o jovem atacante do Santos.
        Quem também não tem do que reclamar do antecessor de Luxemburgo é o atacante Felipe Azevedo, destaque da vitória sobre o Sport na última rodada. Foi Vágner Mancini que o levou para a Vila Belmiro, pois o conhecia dos tempos de Paulista de Jundiaí. "Ele confiou em mim e estou em um grande clube hoje", reconheceu.
        Já o goleiro Felipe, que chegou a ser considerado a quarta opção para o gol santista quando Vágner Mancini estava no comando, disse que o ambiente na Vila Belmiro é melhor com a chegada de Luxemburgo. "O Mancini fez um bom trabalho, mas a chegada do Luxemburgo nos motivou mais", disse ele, que atualmente é titular do Santos. (informações do Estadão)
        

Leia Também