ECONOMIA

Sonegação de imposto do etanol foi de R$ 1 bi

Sonegação de imposto do etanol foi de R$ 1 bi
19/05/2010 06:20 -


Brasília

O governo deixou de arrecadar R$ 1 bilhão em 2009 devido à sonegação de impostos na comercialização de etanol, segundo relatório divulgado ontem pela Fecombustíveis (Federação Nacional do Comércio de Combustíveis e de Lubrificantes).
O Relatório Anual da Revenda de Combustíveis 2010 mostra que as perdas para os cofres públicos com a sonegação de etanol em 2009 chegaram a R$ 1 bilhão, dos quais R$ 400 milhões relativos à cobrança do PIS/Confins e R$ 600 milhões em ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços).
Os dados consolidados da federação de 2009 indicam que 30% do etanol comercializado no país no ano passado não recolheu todos os tributos devidos.
Na avaliação do presidente da Fecombustíveis, Paulo Miranda Soares, “é praticamente impossível que os postos revendedores que agem de acordo com a legislação possam competir com quem sonega imposto, o que acaba por impor perdas a todos”.
Os dados divulgados pela federação indicam que o índice de gasolina comercializada fora das normas caiu em 2009 para apenas 1,3%, dos quais 53% deste total dizem respeito à mistura de álcool anidro a gasolina acima dos 25% autorizados pelo governo. No etanol é de 1,7% enquanto no caso do óleo diesel a não-conformidade chega a 3%.
Soares disse que o país apresenta índices de não conformidade da qualidade dos combustíveis “compatíveis com os países mais desenvolvidos do mundo”.
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".