CORUMBÁ

Soldado atira em pescador durante confusão

Soldado atira em pescador durante confusão
26/06/2012 07:30 - Gabriel Maymone


O pescador Onofre da Conceição, de 61 anos, foi baleado no abdômen por volta das 17h de ontem (25), após um desentendimento causado por uma linha de pipa com cerol, na Rua Marechal Deodoro, no Bairro Jardim dos Estados, parte alta de Corumbá (MS).

De acordo com moradores, o caso ocorreu após um soldado da Polícia Militar, que pilotava uma motocicleta, ficar ferido no pescoço ao passar por uma linha de pipa com cerol (mistura de cola e vidro moído).

Segundo o filho da vítima, um adolescente de 16 anos que estava no local, o policial desceu da moto e começou a ameaçar as crianças. “Ele desceu da moto, veio em minha direção, me deu um tapa no rosto e socos. Meu pai saiu correndo para me socorrer, quando o policial pegou a motocicleta e saiu atirando. Foram vários tiros, até que um deles atingiu meu pai”, relata.

Revoltados com a situação, moradores impediram o tráfego na rua Marechal Deodoro. Galhos, pneus e entulhos foram colocados na rua; Os manifestantes atearam fogo para chamar a atenção ao fato ocorrido.

O tenente-coronel Waldir Ribeiro Acosta, comandante do 6º Batalhão da Polícia Militar de Corumbá, informou a respeito dos procedimentos a serem tomados. "O policial envolvido no incidente já se apresentou na Delegacia de Polícia Civil. Ele agiu em legítima defesa, pois alega que a outra parte (o pescador) atirou contra ele. O caso está sendo investigado. O caso agora segue sob investigação e a PM terá 30 dias para concluir a sindicância", enfatizou.

Com informações do Diário Online

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".