Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

“Soja louca 2”

“Soja louca 2” preocupa produtor do Estado

8 JUL 10 - 08h:24
Cícero Faria, Dourados

Embora o problema ainda não tenha sido relatado pela assistência técnica em Mato Grosso do Sul e esteja restrito a áreas de Goiás e principalmente ao norte de Mato Grosso, a doença denominada “soja louca 2” está preocupando produtores e pesquisadores que não sabem a sua origem e pelos prejuízos na última safra.
Por isso, a Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja) e a Embrapa realizam hoje uma rodada de discussão sobre a soja louca 2, com especialistas ligados a instituições de pesquisa, universidades, empresas de consultoria e representantes de produtores, na Federação da Agricultura e Pecuária (Famato) em Cuiabá.
Durante a Reunião de Pesquisa de Soja, em 10 e 11 de agosto, em Brasília, haverá também um painel para debater o novo problema. O presidente da Associação dos Engenheiros Agrônomos da Grande Dourados, Bruno Tomasini citou que no Estado não há relato oficial do problema, mas ele foi discutido em Campo Grande, na terça-feira durante  reunião feita por uma multinacional da área de defensivos agrícolas.  
Segundo o chefe de pesquisa da Embrapa Soja, de Londrina, José Renato Farias, a soja louca é uma anomalia complexa que pode estar associada a vários fatores. “A ideia é estabelecermos um protocolo de pesquisa, que possa auxiliar os pesquisadores no melhor entendimento sobre o problema, para que posteriormente possamos orientar a tomada de decisões a campo”, explicou.
O objetivo do evento, informou a Famato,  é que cada participante apresente as informações existentes até o momento sobre a doença de causa desconhecida que provocou prejuízos econômicos a algumas regiões produtoras de soja, principalmente na região norte de Mato Grosso.
“Estaremos reunindo os maiores especialistas do País, porque a soja louca já causou sérios problemas na safra 2009/2010 em Mato Grosso. O presidente da Aprosoja Glauber Silveira da Silva disse  que houve relatos de perdas localizadas, mas que mostram que, onde foi registrada a soja louca, a ocorrência foi severa. De acordo com dados da Aprosoja, há indicações de perdas de 100 a 200 hectares por propriedade  atingida.
Sintomas
De acordo com os pesquisadores Embrapa Soja, os sintomas observados são o afilamento das folhas do alto das plantas e o engrossamento das suas nervuras. As folhas apresentam uma tonalidade mais escura em relação às sadias. As hastes exibem deformações e engrossamento dos nós. As vagens também apresentam deformações, redução do número e apodrecimento de grãos.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Confira o horóscopo deste domingo
ASTRAL

Confira o horóscopo deste domingo

CORREIO RURAL

Fertilizantes: código de uso sustentável recomenda boas práticas

BRASIL

Falta de objetividade na Justiça tem custo alto, diz Alexandre de Moraes

BRASIL

Presidente do Sindicato dos delegados de PF critica Bolsonaro

Mais Lidas