Terça, 20 de Fevereiro de 2018

Sobrevivente indica que mais três pessoas podem ter escapado do massacre no México

3 SET 2010Por 10h:45
     

Mais quatro pessoas podem ter sobrevivido ao massacre dos 72 imigrantes na fronteira do México com os Estados Unidos. A informação é do equatoriano Luis Freddy Lala Pomavilla, que foi identificado inicialmente pelas autoridades como o único sobrevivente da chacina.

Segundo ele, 76 pessoas viajaram juntas aos Estados Unidos. Um homem hondurenho também é apontado como sobrevivente da chacina, segundo as autoridades mexicanas, que o mantêm sob segurança no país. Com isso, falta localizar mais dois eventuais sobreviventes.

As informações são da Agência Pública de Notícias do Equador e Sulamérica (Andes), a imprensa oficial equatoriana. Até ontem (2) à noite, as autoridades mexicanas confirmavam a localização de 72 corpos, dos quais 41 foram identificados - entre eles apenas um brasileiro, Juliard Aires Fernandes, de 20 anos. Foram encontrados documentos de outro brasileiro, Hermínio Cardoso dos Santos, de 24 anos,

Um dos sobreviventes do crime indicou, porém, que podem existir outros que conseguiram escapar do massacre. Lala, em entrevista concedida ontem, contou que houve um verdadeiro périplo, promovido pelo grupo que levava os imigrantes rumo os Estados Unidos, até que chegassem ao México.

O equatoriano disse que para chegar a Tamaulipas, estado onde ocorreu o crime, com os outros imigrantes, o grupo que os conduzia levou todos para Honduras, depois para a Guatemala e, em seguida, para o México.

Ao ser perguntado sobre o que recomenda para quem sonha em viver nos Estados Unidos, Lala foi objetivo: "Eu diria: não vá". Há muitos maus [homens] que não o deixarão passar. Não sigam [para os Estados Unidos]. Viajaram comigo 76 pessoas, mataram a todos. Eu digo aos equatorianos que não viajem mais porque os La Zetas [nome do cartel suspeito de ser responsável pelo crime] vão matar muita gente".

Segundo Lala, todos os imigrantes foram levados durante a noite em vários carros. Depois, permaneceram em um local, que ele não soube identificar, sob a guarda de oito homens armados. Em seguida, foram transportados novamente em vários carros para a fazenda onde houve o crime. Antes do assassinato coletivo, todos foram amarrados em grupos de quatro pessoas. As vítimas tiveram bocas amordaçadas, mãos e pés atados, e foram colocadas de costas para a parede.

O massacre ocorreu há quase duas semanas em uma fazenda na região de Reynosa, no estado de Tamaulipas, na fronteira do México com os Estados Unidos. O crime é atribuído a cartéis de tráfico de pessoas e drogas. A principal suspeita, segundo as autoridades mexicanas, recai sobre o grupo La Zetas.

 

Leia Também