BRASIL/MUNDO

Sobe para 232 número de mortos no Congo

Sobe para 232 número de mortos no Congo
05/07/2010 06:42 -


KINSHASA

Autoridades locais revisaram para ao menos 232 o número de mortos e indicam que há também 107 feridos pela explosão de um caminhão-tanque na sexta-feira à noite na República Democrática do Congo. Entre os mortos haveria cerca de 60 crianças.
O fato ocorreu na localidade de Sange, região de Uvira, na Província de Kivu Sul, cujo governador, Marcellin Cisambo, confirmou os números aos jornalistas locais e constatou no lugar a destruição causada pelo incêndio que ocorreu após a explosão.
Ainda no sábado, oficiais da ONU e da Cruz Vermelha descreveram cenas devastadoras na cidade de Sange. Casas foram queimadas e corpos jogados pelas ruas. Além das vítimas que tentavam saquear a gasolina do caminhão, muitos morreram em suas casas e num cinema próximo no momento da explosão. A maioria dos corpos foi carbonizada e está irreconhecível, disseram autoridades locais.
Segundo a polícia, o fogo da explosão se propagou em dezenas de casas em Sange, todas basicamente feitas de terra e palha. Já o acidente do caminhão teria acontecido por um excesso de velocidade.
As autoridades congolesas começaram o sepultamento dos mortos em valas comuns, devido à dificuldade de identificação, já que os corpos estão totalmente carbonizados, segundo explicou ontem aos jornalistas locais o vice-governador de Kivu Sul, Jean-Claude Kibala Nkolde.
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".