Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

demissões

Sindicato marca audiência com GM para conciliação

11 JAN 14 - 00h:00Folhapress

Em reunião com o Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos ontem, a General Motors confirmou 687 demissões apenas no fim de ano.

Empresa e entidade marcaram uma audiência de conciliação na próxima semana, já que o sindicato ainda quer reverter os cortes por meio de um processo judicial.

A reunião ocorreu na Superintendência Regional do Trabalho, na rua Martins Fontes, no centro. Durante a tarde, metalúrgicos protestaram em frente ao local do encontro.

Segundo o sindicato, alguns trabalhadores demitidos possuíam estabilidade, por terem sofrido lesões ou estarem em período de aposentadoria. Será feito um levantamento para mensurar quantos demitidos se encontram nessa situação, para que a informação seja reportada ao Ministério do Trabalho.

Na manhã da quarta-feira, trabalhadores da GM já haviam realizado passeata em São José dos Campos, onde antes estava instalada a linha de produção do Classic, desativada em agosto

Histórico
Na semana passada, Luiz Moan, diretor de relações institucionais da empresa, confirmou a demissão de 1.053 funcionários do complexo industrial de São José dos Campos (SP) durante o ano de 2013.

Segundo o Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, 300 trabalhadores demitidos já procuraram a entidade. Cerca de 250 metalúrgicos decidiram em assembleia exigir do governo federal a suspensão das demissões, garantia de estabilidade do emprego e que a montadora realize investimentos na planta, o que, segundo o sindicato, está previsto em acordos assinados com a entidade.

As negociações entre a GM e o sindicato se estendem desde 2008. Nos últimos dois anos, a montadora encerrou a produção de quatro modelos de carros em São José dos Campos e concentrou os novos produtos em suas outras fábricas.

Na unidade, a companhia manterá as linhas de montagem dos comerciais S10 e Traiblazer, além de fábricas de motores e transmissão. O último acordo da área de automóveis foi o de janeiro, que garantiu os funcionários do modelo Classic até dezembro.

O carro parou de ser produzido no local em agosto e os trabalhadores permaneceram em licença remunerada até o final do ano.

O sindicato alega quebra de compromisso. Diz que o governo aceitou elevar o IPI para uma alíquota menor em troca de manutenção do nível de emprego.

O imposto foi reduzido a zero em 2012 e parcialmente recomposto no ano passado. Em janeiro, voltaria aos 7% originais, mas o governo decidiu elevar para 3% até julho.

Moan afirmou que a montadora vem cumprindo o compromisso de manutenção do emprego setorial desde a redução do IPI. Segundo ele, o número de empregados no setor saltou de 145 mil em maio de 2012 para 155 mil em novembro deste ano. 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Operação da Polícia Civil já prendeu mais de 30 pessoas em MS
AÇÃO

Operação da Polícia Civil já prendeu mais de 30 pessoas em MS

Agente penitenciário é executado quando ia para o trabalho
NA FRONTEIRA

Agente penitenciário é executado quando ia para o trabalho

Enquanto bairros estão sem iluminação pública, postes de praça ficam acesos 24h
UNS COM TANTOS, OUTROS SEM NADA

Bairro não tem luz, mas postes de praça ficam acesos 24h

ECONOMIA

ANTT atualiza tabela do frete após aumento do preço do diesel

Mais Lidas