Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, domingo, 16 de dezembro de 2018

Sindicato de professores das federais protocola contraproposta ao governo

23 AGO 2012Por g117h:35

O Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes) anunciou que protocolou, nesta quinta-feira (23), uma contraproposta ao governo federal sobre a reestruturação da carreira docente. Em nota, a entidade, que representa a maior parte dos professores das instituições federais, em greve desde 17 de maio, solicitou ao governo a reabertura das negociações com a categoria.

Os ministérios do Planejamento e da Educação confirmaram a entrega da contraproposta, mas reiteraram que as negociações seguem encerradas desde 3 de agosto, quando a Federação de Sindicatos de Professores de Instituições Federais de Ensino Superior (Proifes) assinou o acordo com o governo.

No documento, o Andes afirma que aceita o piso salarial proposto pelo Ministério do Planejamento de R$ 2.018,77 para professores em início de carreira e regime de trabalho de 20 horas semanais e reduz de 5% para 4% os degraus entre níveis remuneratórios. Pela contraproposta do sindicato, o reajuste seria maior que o proposto pelo governo para professores em regime de 40 horas semanais, mas o teto salarial do professor com doutorado e regime de 20 horas semanais ou dedicação exclusiva com a universidade seria apenas um pouco mais alto.

O Andes considera ainda uma estrutura da carreira com 13 níveis, enquanto a proposta final do governo divide os níveis em cinco classes, incluindo a de professor titular, onde só existe um nível.

A entidade pediu mais uma vez pela retomada das negociações. “Essa é mais uma demonstração de que seguimos dispostos a negociar e estamos inclusive abrindo mão de reajustes salariais em nome da reestruturação da nossa carreira com base em conceitos definidos”, disse, em nota, Marinalva Oliveira, presidente do sindicato. 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também