domingo, 22 de julho de 2018

PODER

Simone Tebet dá um toque feminino à governadoria

16 JAN 2011Por Rose Rodrigues, de Três Lagoas fernanda brigatti, da redação00h:00

A primeira mulher eleita vice-govenadora e também a primeira a assumir o governo de Mato Grosso do Sul já deixa suas marcas nas cores e na decoração da Governadoria. Simone Tebet (PMDB) começou há poucos dias a mudança para a sala que até dezembro de 2010 era ocupada por Murilo Zauith (DEM) e começa, sutilmente, a deixar traços da presença feminina, como móveis mais claros, flores sobre a mesa, vasos artesanais.

Simone ocupa uma grande sala no mesmo andar em que está a do governador André Puccinelli (PMDB). Predominantemente escuro, o espaço receberá revestimento, persianas e piso em tons claros. A mesa de trabalho também já foi trazida por Simone, uma antiga escrivaninha que pertenceu ao pai, o senador Ramez Tebet (PMDB), morto em 2006. Sobre a mesa, orquídea branca. Pela sala, margaridas.

As mudanças já chegaram também à antessala, onde Simone "hospedou" um sofá branco que também decorava seu gabinete na Prefeitura de Três Lagoas. A reformulação na decoração será capitaneada por um arquiteto de confiança de Simone, Luiz Pedro Scalise, responsável também pelo apartamento em que a vice-governadora e o marido, deputado estadual eleito Eduardo Rocha, vão morar na Capital, localizado na Vila Célia.

"A ideia é clarear e harmonizar um pouco o ambiente, em conjunto com a rica natureza do lugar. A construção aqui no Parque é maravilhosa e funcional, mas por dentro, o concreto deixa um ambiente muito frio e quis apenas tornar mais ameno o espaço e transformá-lo num lugar mais aconchegante, já que vou passar a maior parte do tempo por aqui", explicou Simone.

Ao arquiteto, a vice-governadora deu aval total, mas fez uma ressalva sobre obras de arte. "Em todo processo da nova decoração não dou muito palpite e deixo nas mãos de profissionais, mas minha única exigência é de que sejam usados apenas trabalhos de artistas locais. Também gosto muito de artesanato indígena e até já trouxe alguns da minha casa para enfeitar minha sala", disse. Na sala, um vaso de cerâmica kadiwéu já aguarda acomodação. "Também quero alguma coisa em madeira de artistas de Três Lagoas", disse.


 

Leia Também