Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Siderúrgicas investirão R$ 2 bilhões em MS

28 JUN 10 - 06h:53
Rosana Siqueira

Responsável hoje pela produção de 450 mil toneladas de ferro-gusa por ano, o setor siderúrgico de Mato Grosso do Sul deverá receber R$ 2 bilhões em investimentos nos próximos sete anos. Os recursos serão destinados basicamente pelas empresas já existentes no Estado para a formação de florestas – algo em torno de R$ 330 milhões – e produção de carvão vegetal para abastecer as usinas e modernização dos parques industriais, cerca de R$ 1,5 bilhão.

A meta é elevar a produção de ferro gusa, que somente no próximo ano deverá crescer 77%, atingindo 800 mil toneladas do produto, capacidade máxima instalada das duas empresas que atuam no Estado. Hoje apenas a Vetorial (com unidades em Campo Grande, Ribas do Rio Pardo e Corumbá) e a Simasul de Aquidauana, operam no segmento, sem atingir a capacidade máxima. (veja infográfico)
O aumento na demanda da indústria nacional por aço é um dos principais motivos para a expansão, segundo o diretor-geral da Vetorial Siderurgia, Gustavo Correa. “O consumo deverá crescer de 5% a 10%, somente no próximo ano. A ideia é atender ao menos uma parte deste mercado” frisou.
Como fatores propícios para a ampliação da produção no Estado, Correa cita a grande oferta de matéria-prima – Corumbá tem uma das maiores reservas de minério de ferro no País –, a posição geográfica privilegiada de MS do ponto de vista logístico e ainda os incentivos fiscais do Governo para a implantação de usinas.

Vantagens
Mesmo com o mercado de consumo de aço tímido no Centro-Oeste, o empresário justifica os investimentos salientando que MS está na vizinhança com SP e países do Mercosul. “Temos boa localização, já que Campo Grande  está mais perto de SP capital do que o norte de Minas. Nós temos uma posição geográfica privilegiada. Sabemos que a logística merece ser aperfeiçoada, já que temos problemas na ferrovia, nas rodovias, mas estamos bem posicionados” enfatiza Correa, que lembra ainda que o Estado tem as hidrovias, que para a exportação do gusa são canais importantes.

Energia de sobra
Gustavo Correa frisa também que MS tem a seu favor, a abundância de recursos florestais e energéticos, com o gás natural e o carvão vegetal. “O Brasil é o único País do mundo que produz gusa a partir do carvão vegetal. E MS é privilegiado neste requisito. Temos áreas para expandir o o plantio de florestas, condições hidrográficas, insolação e terras a preços aceitáveis”,. frisa o empresário.
Correa lembra que diante da matriz enegértica, o País desenvolveu tecnologia 100% nacional: os alto-fornos. Os equipamentos garantem a produção de nada menos que 12 milhões de toneladas de gusa no Brasil.
Questionado sobre o porque das siderúrgicas de MS não usarem o gás natural, Correa diz que a energia é economicamente mais inviável que o carvão vegetal e mineral. “O uso do gás natural exige empreendimento de qualidade superior, investimento mais alto. Mas o preço do gás inviabiliza os empreendimentos por estar diretamente ligado ao preço do petroléo.
Por isso este tipo de modelo não emplacou bem no mundo, a não ser na Venezuela e outros países com grande disponibilidade da energia”, frisa.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Futebol de 5 do Brasil <BR>chega invicto a Lima
PARAPAN-AMERICANOS

Futebol de 5 do Brasil
chega invicto a Lima

RENÚNCIA

Ministro da Fazenda da Argentina entrega cargo

Eleições primárias desencadearam uma crise no governo
SAÚDE

Kit único pode identificar patógenos causadores de infecções

kit vem sendo testado em equipamentos de última geração
INTERNACIONAL

Ataque em casamento deixa dezenas de mortos em Cabul

Estado Islâmico reivindicou a autoria do atentado

Mais Lidas