sábado, 21 de julho de 2018

MÚSICA

Show “Hermanos irmãos” vai para o interior

14 DEZ 2010Por Thiago Andrade00h:12

Jerry Espíndola, Márcio de Camillo e Rodrigo Teixeira seguem para o interior do Estado com o espetáculo “Hermanos irmãos”. Começando amanhã, a pequena turnê passa pelo Auditório Prof. Dóris Mendes Trindade, às 19h, em Aquidauana, e no Anfiteatro da Unidade 1, às 19h, Três Lagoas, encerrando-se na quinta-feira, no Teatro Glauce Rocha, às 20h, em Campo Grande. Segundo Márcio, a ideia é resgatar o circuito universitário no Estado. Em parceria com a Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), os três músicos se apresentam em auditórios e anfiteatros, gratuitamente, para o público acadêmico.

“Queremos nos apresentar para os formadores de opinião. Alunos, professores e os demais funcionários das universidades são um público que buscamos atingir desde que o projeto foi pensado”, explica Márcio de Camillo. Vale lembrar que os músicos começam em fevereiro o percurso pelo corredor cultural da Bacia do Prata, percorrendo as cidades de Assunção, no Paraguai, Corrientes, Buenos Aires e Rosário, na Argentina. Enquanto não começam as viagens, os músicos buscam formas de continuar a apresentar o projeto. “Conversamos com o pessoal da UFMS, pois essa é uma oportunidade interessante de apresentar o trabalho para o público do interior. Existe uma grande demanda que os artistas do Estado ainda não exploraram”, acredita Rodrigo Teixeira.

Expandindo ainda mais o projeto, o DVD do espetáculo está em fase de finalização e, segundo Márcio, poderá ser lançado pelo selo paraguaio Kamikaze. “É uma estratégia comercial, já que o Paraguai está mais integrado com o mercado cultural da América Latina que o Brasil”, pontua o músico. Com produção audiovisual de Adrian Okumoto e edição de som por Anderson Rocha, a canção-título do trabalho, “Hermanos irmãos”, escrita pelos músicas em parceria com Geraldo Roca, Paulo Simões e Rodrigo Sater, já pode ser vista em www.youtube.com/watch?v=Icy6idZnS2E.

O repertório do show permanece o mesmo, com composições inéditas, mas também canções de Almir Sater, Paulo Simões, Mercedes Sosa, Geraldo Roca e Geraldo Espíndola. “É um retorno a origem da música em Mato Grosso do Sul. Cantamos canções em guarani, espanhol e português, com arranjos novos para canções consagradas. É um show que celebra as intersecções culturais do Estado com a América Latina”, pontua Márcio.

Leia Também