Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

domingo, 24 de fevereiro de 2019 - 02h12min

RETA FINAL

Setembro é o mês do "tudo ou nada" para os candidatos

30 AGO 10 - 07h:44

adilson trindade

A campanha entra esta semana no mês do “tudo ou nada” para os candidatos a governador, senador, deputado federal e estadual. Setembro é apontado como o período de definições da maioria dos eleitores. Por isto, os candidatos a governador, principalmente, vão partir para ofensiva sobre os indecisos. O petista José Orcírio dos Santos espera convencê-los a apoiar a sua candidatura para virar o jogo eleitoral no último mês de campanha. Para atrair o eleitor, Orcírio espera, ainda, contar com o poder de influência da popularidade do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Ele, inclusive, pode voltar ao Estado para mais um comício em favor do amigo petista.
O governador André Puccinelli (PMDB) não fica atrás e parte para estratégia ousada, usando também a figura de Lula no programa eleitoral na televisão para não perder votos para o rival na disputa pelo Governo do Estado. Já o candidato Nei Braga, do PSOL, é o único a não usar a imagem do presidente para tirar vantagem eleitoral. Mas vislumbra aumentar o seu potencial eleitoral até a reta de chegada apenas com discurso ideológico e doutrinário.
Não é só Orcírio que está na sombra do presidente. Os candidatos a senador Delcídio do Amaral (PT), que busca a reeleição, e o deputado federal Dagoberto Nogueira (PDT) estão recebendo apoio de Lula no programa eleitoral gratuito no rádio e na televisão. O presidente alerta o eleitor da importância de Dilma Rousseff (PT), se eleita presidente, ter bancada majoritária no Senado para respaldá-la.
Delcídio é o favorito do eleitor para permanecer no Senado por mais oito anos e, em seguida, segundo as últimas pesquisas eleitorais, aparece Dagoberto. A esperança da coligação do PT é eleger os dois senadores. Para reforçar a campanha, Lula entra em cena declarando apoio a Delcídio e Dagoberto. Ele não cita o deputado federal Waldemir Moka (PMDB). Embora o partido de Moka esteja coligado nacionalmente com o PT, Lula tem no candidato um adversário político que jogou para impedir a parceria dos dois partidos.
Moka surge como um grande aliado do tucano José Serra na disputa presidencial. A estratégia dele é diferente da usada pelo governador André Puccinelli, que procura explorar o máximo a sua boa relação com Lula. Para não perder votos, o governador reconhece o apoio do presidente nos momentos de dificuldade de sua administração. Mesmo assim, não escapou de duras críticas de Lula no comício em Campo Grande, realizado dia 24. O presidente acusou André de ingratidão. Em vez de rebatê-lo, o governador aumentou o uso da imagem de Lula em seu programa eleitoral para mostrar ao eleitor a sua boa relação com o presidente.
No último mês de campanha eleitoral, o que vai pesar muito será a criatividade de cada candidato para conquistar o eleitor indeciso e tirá-lo dos adversários. O candidato a senador do PMDB, Waldemir Moka, depende muito mais do governador André Puccinelli para passar à frente de Dagoberto, hoje o seu maior rival na disputa pela segunda vaga de senador.
Moka tenta ainda fazer dobradinha não oficial com o petista Delcídio do Amaral para tirar a visibilidade de Dagoberto, que está mais colado em José Orcírio dos Santos.
Para os candidatos em desvantagens tem todo o mês de setembro para promover reviravolta no processo eleitoral em Mato Grosso do Sul. Uma das estratégias é usar o horário do programa eleitoral gratuito, que se encerra no dia 30, para conquistar o voto do eleitor indeciso. Já o dia 2 de outubro, véspera das eleições, é a última oportunidade para realizar comício, carreata, passeata e distribuição de material de propaganda nas ruas. (Colaborou Lidiane Kober)

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

BRASIL

Promotoria abre inquérito após shopping de SP pedir autorização para apreender meninos de rua

BRASIL

Chanceler diz que ação na Venezuela não tem caráter intervencionista

Mãos que falam:
LUIS PEDRO SCALISE

Mãos que falam: "Em tempos de Dieta"

VENEZUELA

Maduro discursa para apoiadores e critica ajuda humanitária

Mais Lidas