Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, terça, 13 de novembro de 2018

Eleições

Sete poderão duelar pela prefeitura a partir de sexta

1 JUL 2012Por adilson trindade e danubia burema00h:02

Bernal esclareceu ontem à tarde, diante dos rumores de suas desistências, que estaria dependendo de uma decisão da cúpula nacional do PP para avalizar o seu afastamento da disputa eleitoral. Ele disse que ficaria até minutos antes da meia-noite de ontem, prazo final para fechamento da ata da convenção, lutando para permanecer na corrida pela prefeitura por entender o desejo de mudanças da população. Mas, diante das circunstâncias desfavoráveis, admitiu a hipótese de ficar fora da disputa eleitoral.

Exército de 16 partidos
Diante das mudanças horas antes das convenções, o candidato governista, deputado federal Edson Giroto (PMDB), entrará fortalecido na campanha com exército de 16 partidos em sua trincheira de alianças. Todo este agrupamento é, evidentemente, para enfraquecer os rivais e tentar ganhar a disputa eleitoral ainda no primeiro turno.

Para não dar margem de manobra à oposição, o PMDB atraiu para o seu campo o ex-deputado federal Dagoberto Nogueira (PDT), que até dias antes de aderir à aliança era crítico contundente do governador André Puccinelli (PMDB) e do prefeito de Campo Grande, Nelsinho Trad (PMDB). Sentindo-se abandonado pelo senador Delcídio do Amaral (PT), Dagoberto deixou as críticas de lado para garantir a sua sobrevivência política e de seus candidatos a vereador. Ficando com o PT, Dagoberto sentia que poderia ser “enterrado” politicamente.

PT, estrela solitária
O principal rival dos peemedebistas continua sendo o PT. O partido entra em desvantagem na guerra eleitoral por não conseguir, pela primeira vez, atrair nem os partidos de esquerda para lutar pela vitória do deputado federal Vander Loubet. Sem opção, o PT montou chapa pura para enfrentar os governistas. O vice foi indicado no dia da convenção por não ter outra alternativa. O deputado estadual Cabo Almi aceitou o desafio de compor a chapa de Vander para tentar, mesmo diante das dificuldades estruturais e apoio de outros partidos, levar as eleições para o segundo turno.

A grande aposta do PT será o empenho da militância para dar musculatura à candidatura de Vander. Ele tem ainda a força da liderança política do ex-governador José Orcírio dos Santos, que estará recomeçando a sua carreira política como candidato a vereador da Capital. Outro peso político do PT que poderá fazer diferença será o engajamento do senador Delcídio do Amaral. A presença efetiva dele na campanha ainda é considerada uma incógnita pelos petistas diante do posicionamento do senador em recentes articulações políticas.

Sombra do PMDB
Para as eleições deste ano, o PSDB voltou-se contra o PMDB rompendo uma aliança de 20 anos de fidelidade. O deputado federal Reinaldo Azambuja decidiu desafiar os governistas na disputa pela Prefeitura de Campo Grande depois de apoiar todas as eleições de André Puccinelli para prefeito e governador e compor com as duas eleições do prefeito Nelsinho Trad.

Azambuja leva para a sua trincheira o PPS, outro tradicional aliado do PMDB. Os pós comunistas, como são chamados os integrantes do partido, indicaram o vereador Athayde Nery para compor a vaga de vice. O candidato tucano passou a encontrar defeitos na administração do PMDB e prometeu debater muito na campanha eleitoral as medidas essenciais para resolver o problema da saúde e educação.

Nanicos em ação
Mesmo sem a estrutura dos grandes partidos, os nanicos lançaram três candidatos na disputa pela prefeitura da Capital. Ontem o PV oficializou a candidatura do vereador Marcelo Bluma, cuja vice será a bioquímica Fernanda Fialho. Já o PSTU insistiu no nome do Suel Ferrante, que tradicionalmente disputa a prefeitura pelo partido. Nesta eleição, sua vice é a acadêmica Michele Sandim. Pelo PSOL, disputará a prefeitura o professor Sidney Melo, cujo vice ainda não foi anunciado. 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também