sexta, 20 de julho de 2018

Servidor público é acusado por defender morte de Chávez no Twitter

11 SET 2010Por 04h:00
     Um engenheiro da empresa estatal de eletricidade da Venezuela foi acusado nesta sexta-feira, 10, do crime de "instigação ao ódio público" por enviar mensagens no Twitter defendendo o assassinato do presidente Hugo Chávez, informou seu advogado.

        Um tribunal de Caracas abriu um processo contra o engenheiro Jesús Majano, preso ontem pela polícia judicial, disse seu defensor, Luis Rodríguez, ao canal Globovisión.

        Majano, que trabalha na Corporação Elétrica Nacional (Corpoelec), foi acusado pela Procuradoria Geral venezuelana, segundo seu advogado.

        O engenheiro obteve o benefício de liberdade condicional e está obrigado a se apresentar a cada quinze dias ao tribunal. Até o momento, as autoridades não comentaram o processo.

        O diretor da polícia judicial, Wilmer Flores Trosel, disse ontem que Majano foi preso por divulgar em sua página do Twitter uma mensagem " na qual colocou fotos de Chávez com feridas no rosto, além de sugerir como matá-lo".

        Segundo Trosel, as autoridades estão investigando outras 15 pessoas por divulgar rumores contra o governo por meio da rede social.

Um usuário identificado como Majano no Twitter tem sua conta fechada. Em tese, o que ele publica só poderia ser acessado por quem faz parte de sua lista de seguidores.

        Chávez com frequência denuncia planos para assassiná-lo. Em julho, algumas pessoas foram presas sob a acusação de desestabilizar o sistema bancário venezuelano com a difusão de boatos no Twitter.


Leia Também