Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

domingo, 17 de fevereiro de 2019 - 15h01min

Serra vai tentar convencer Nelsinho a não apoiar Dilma

28 ABR 10 - 19h:54

lidiane kober

 

O pré-candidato a presidente da República, José Serra (PSDB), vai conversar com o prefeito Nelsinho Trad (PMDB) para tentar convencê-lo a trocar o palanque da ex-ministra Dilma Rousseff (PT) pelo seu nas eleições de outubro. Segundo o presidente regional do PSDB, deputado Reinaldo Azambuja, o encontro deverá acontecer na primeira quinzena do próximo mês, quando está prevista visita de Serra ao Estado "para formalizar a aliança com o PMDB" de Mato Grosso do Sul.

Por enquanto, o governador André Puccinelli (PMDB) não oficializou a coligação com os tucanos na sucessão presidencial, porém, a cúpula da legenda dá praticamente como certa a continuidade da parceria, por isso, promete empenho para conseguir atrair todo o PMDB ao palanque de Serra.

Nelsinho é o único peemedebista que vem defendendo abertamente o apoio a Dilma. Inclusive, recentemente, ele chegou a declarar que, na sua avaliação, "ninguém fez mais para o País do que o presidente Lula".

De olho nos votos dos campo-grandenses, os tucanos já tentaram convencer o prefeito a apoiar seu pré-candidato a presidente. A senadora Marisa Serrano (PSDB), que já foi vice de Nelsinho, tentou afastá-lo do palanque de Dilma, contudo, a conversa foi sem sucesso. "Não vamos desistir", reiterou Azambuja. "Vai ficar estranho para a população ver o PMDB dividido na eleição", explicou.

O deputado estadual Carlos Marun (PMDB) tem certeza de que o PMDB estará unido na sucessão presidencial. "O Nelsinho vai aonde o partido for", apostou. "Isso é como se fosse uma guerra, ou seja, o coronel vai aonde o general for", completou, reforçando a teoria de que o prefeito seguirá o rumo do governador.

Inclusive, anteontem, Puccinelli lançou claro recado de advertência a Nelsinho: "cateto fora do bando é comida de onça". Em síntese, a frase demonstra seu descontentamento diante do reiterado posicionamento do prefeito de que apoiará Dilma independentemente da posição do PMDB regional.

Sem crise

Diante do risco de ver o partido rachado na sucessão presidencial, Marun agiu como bombeiro para tentar apagar os focos de incêndio. Ele defendeu que, independentemente do rumo na eleição, o PMDB agirá de maneira coerente. "Temos motivos tanto para apoiar o PT quanto o PSDB", afirmou.

Conforme o parlamentar, a aliança com os tucanos daria continuidade ao "companheirismo histórico" entre as legendas em Mato Grosso do Sul. Já com os petistas a coerência reside no fato de o partido estar alinhado nacionalmente à candidatura de Dilma. "Portanto, nenhuma decisão poderá ser tachada de incoerente", reforçou.

No entanto, ao finalizar, Marun acabou evidenciado sua preferência pela aliança com o PSDB. "Não posso negar que companheirismo mexe com o coração e decisões difíceis, geralmente, a gente toma com o coração", encerrou.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Nenhum candidato se atrasa para concurso de Magistério
PROVA

Nenhum candidato se atrasa para concurso de Magistério

Deputados temem estoque
IMPORTAÇÃO

Deputados temem estoque "monstruoso" de leite da UE

Operação da PM aborda 117 pessoas   e apreende drogas durante a noite
OPERAÇÃO SATURAÇÃO

PM aborda 117 pessoas e apreende drogas

Anta é fotografada de madrugada   ao cruzar rua de shopping
SHOPPING

Anta é fotografada
ao cruzar rua movimentada

Mais Lidas