Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

POLÍTICA

Serra vai a Dourados e Ponta Porã este mês

Serra vai a Dourados e Ponta Porã este mês
07/08/2010 07:58 -


Fábio Dorta, de Dourados
 
O candidato do PSDB à Presidência da República, José Serra, deverá fazer campanha em Dourados e Ponta Porã ainda este mês, em data a ser confirmada pela coordenação nacional da campanha. A informação foi dada ontem pela senadora Marisa Serrano (PSDB) durante encontro com empresários no auditório da Associação Comercial e Empresarial de Dourados (Aced).
De acordo com Marisa, a intenção é de Serra participar de atos políticos em Dourados e de gravações para o programa eleitoral de televisão em Ponta Porã, na fronteira com o Paraguai. “É necessário que a gente organize a forma e o dia que ele virá a Mato Grosso do Sul”, afirmou a senadora.
Marisa disse que Mato Grosso do Sul tem uma importância estratégica na campanha de Serra. Ela lembrou que o presidenciável já esteve recentemente em Campo Grande e demonstrou otimismo sobre o retorno dele ao Estado. “Eu acredito que ainda em agosto”, disse a senadora.
Em caminhada anteontem na Vila Almeida, em Campo Grande, o governador André Puccinelli (PMDB) reiterou estar aguardando a visita do tucano ao Estado para, ao seu lado, pedir votos. “A Marisa me falou que traria o Serra para Campo Grande ou Dourados, mas não sei que mês e que dia”, comentou.

Vitória
Marisa Serrano afirmou estar otimista em relação à campanha de Serra tanto em Mato Grosso do Sul quanto em âmbito nacional. Ela disse que no Estado o candidato tucano tem vantagem superior a 10 pontos percentuais, conforme as últimas pesquisas de intenção de voto, sobre a candidata do PT, Dilma Rousseff.
Para a senadora, o cenário também vai se repetir em nível nacional. “Ele tem um potencial consolidado entre 35% e 45%. O que ele conquistou ninguém tira. Daí para frente só vai crescer”. Ela acrescentou que, no caso da candidata petista, os votos são voláteis pelo fato de estar disputando sua primeira eleição. “O voto a Dilma é volátil. É das pessoas que estão com ela. Ela, particularmente, não tem voto”, finalizou. (colaborou Lidiane Kober)

Felpuda


Considerados “traíras” por terem abandonado o barco diante dos indícios da chegada da borrasca à antiga liderança, alguns pré-candidatos terão de se esforçar para escapar da, digamos assim, vingança, velha conhecida da dita figurinha. Dizem por aí que há promessas nesse sentido, para que os resultados dos “vira-casacas” nas urnas sejam pífios. Sabe aquela velha máxima: “Pisa. Mas, quando eu levantar, corre!” Pois é...