terça, 17 de julho de 2018

Senado que ação conjunta com o STF contra grampos

31 AGO 2008Por 10h:10
     

        Da redação

        O presidente do Senado, Garibaldi Alves (PMDB-RN), vai procurar o presidente do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes, na segunda-feira para articular uma reação conjunta do Judiciário e do Legislativo à ação de espiões do governo que, segundo reportagem da revista Veja, grampearam telefones dos dois chefes de Poder e de senadores de vários partidos, inclusive do PT.

        

        "O presidente Lula terá que tomar providências. Ele tem um papel decisivo no sentido de afastar qualquer possibilidade de que o seu núcleo de poder esteja patrocinando e incentivando isso", disse o presidente do Senado.

        

        No caso do grampo aos presidentes do Congresso e do STF, Garibaldi diz que está em jogo mais do que a privacidade de um senador e de um ministro do STF. "Devemos adotar providências conjuntas para defender as prerrogativas dos nossos cargos, como chefes de dois Poderes", insistiu. A seu ver, "reações indignadas são legítimas", mas é preciso ir além e estudar providências legais para impedir que isso tenha continuidade, "além de apurar e punir o crime que já foi praticado."

        Garibaldi avalia que o presidente Lula precisa "agir dentro do governo" para reprimir o que está acontecendo. "Acho que, com esta conotação e esta gravidade, esta situação é inédita no Brasil". Diante da informação de que as escutas clandestinas seriam patrocinadas por arapongas da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), o senador afirmou que também cobrará explicações do diretor-geral da Abin, Paulo Lacerda. "A Abin terá que prestar contas ao Congresso e à Justiça." (informações do Estadao)

         

Leia Também