Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

domingo, 17 de fevereiro de 2019 - 17h03min

DEFESA NACIONAL

Senado debaterá crise nos países muçulmanos

1 MAR 11 - 11h:10AGÊNCIA BRASIL

A Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional do Senado deve promover um ciclo de debates para avaliar a crise política nos países muçulmanos, bem como as repercussões políticas e econômicas ao Brasil. O requerimento é de autoria do presidente do órgão, Fernando Collor (PTB-AL), e será votado na reunião de quinta-feira (3). Segundo ele, o objetivo é compreender os efeitos globais causados pelos protestos no Norte da África e no Oriente Médio. Caso não haja quórum, a matéria deve ser apreciada na sessão do dia 17 de março.

Collor quer convidar professores universitários, especialistas nas áreas de ciência política, economia, relações internacionais, defesa e informações, além de integrantes do meio empresarial, imprensa, organizações de classes e representantes de missões diplomáticas. Desde janeiro, uma série de protestos atingiu países do Norte da África e do Oriente Médio.

Na Tunísia, as manifestações levaram à saída do então presidente Ben Ali, enquanto no Egito o também então presidente Hosni Mubarak abriu mão do poder depois de mais de duas décadas no governo. A crise se acentua agora na Líbia onde desde o dia 15 há manifestações apelando pela renúncia do líder Muammar Khadafi. A comunidade internacional pressiona para que ele deixe o poder impondo sanções e congelamento de bens.

“Instalaremos assim um fórum de debates, um núcleo de altos estudos, que complemente o trabalho institucional da comissão e também sirva para provocar a discussão de temas diplomáticos e militares pela sociedade brasileira”, afirmou Collor aos senadores na análise que fez do requerimento.

O presidente da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional fez uma série de perguntas que julga pertinentes para o esclarecimento do assunto. Collor quer saber, por exemplo, se os serviços de informações de países como a Líbia, o Iraque, Irã, Marrocos, Bahrein e Egito foram surpreendidos pela série de manifestações populares.

Nesse caso, Collor levanta a dúvida se a capacidade de resposta dos governos – atingidos pelos protestos – foi prejudicada pela falta de informações adequadas e se os governantes não detectaram, também, o grau de desgaste se suas legitimidades.

Para o presidente da comissão, é fundamental ainda responder a algumas questões pontuais e pragmáticas. Collor quer detalhar as consequências da instabilidade política na produção do setor energético e os efeitos para os países que importam petróleo dessas regiões.

Segundo Collor, também é essencial responder sobre o papel da internet e das redes sociais no processo de manifestações tanto no Norte da África quanto no Oriente Médio, assim como identificar sua função exata no apelo para a convocação dos protestos e divulgação de informações.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Desbloqueio de rio pela PF resulta   em confronto com manifestantes
RIO PARAGUAI

Desbloqueio de rio pela
PF resulta em confronto

PM encontra 185 quilos de droga em residência no bairro Itamaracá
TRÁFICO

PM encontra 185 kg de droga em residência no Itamaracá

Governo espera resultado de prova para avaliar novo concurso
PROFESSORES

Estado espera resultado para avaliar novo concurso

Militares e PSL disputam sucessão de Bebianno no governo Bolsonaro
BRASIL

Militares e PSL disputam sucessão de Bebianno no governo Bolsonaro

Mais Lidas