Segunda, 19 de Fevereiro de 2018

NOVA ALIANÇA VI

Senad impede colheita de 550 toneladas de maconha

27 NOV 2010Por EDILSON JOSÉ ALVES, PONTA PORÃ05h:05

A Secretaria Nacional Antidrogas do Paraguai (Senad), com apoio da Polícia Federal do Brasil, destruiu 184 hectares de plantações de maconha na linha de fronteira com Mato Grosso do Sul. As lavouras foram localizadas na cidade de Capitán Bado, que faz divisa com Coronel Sapucaia. Se fossem colhidas, as lavouras resultariam em cerca de 552 toneladas da droga, rendendo aproximadamente US$ 5,6 milhões.

Segundo as informações repassadas pela Senad ao Correio do Estado, a operação denominada de "Nova Aliança VI" teve início no dia 18 e foi encerrada na tarde de quinta-feira. Durante uma semana, os policiais sobrevoaram a região e identificaram as lavouras de maconha, normalmente cultivadas no meio de reservas ambientais, em locais de difícil acesso por via terrestre.

O promotor de justiça do Paraguai, Justiniano Cardoso, que acompanhou os trabalhos dos policiais, disse que a atuação ocorreu nas localizadas de Suzuki, Pa’i Kuara e Umbu, em Capitán Bado. Os policiais conseguiram erradicar o plantio de 184 hectares de maconha. Cada hectare rende, em média, 3 toneladas da droga.

Além das plantações, os policiais encontraram e destruíram 48 acampamentos, locais que armazenavam mais 15,4 toneladas de maconha picada e 800 kg da mesma droga picada e 2,3 toneladas de sementes que seriam utilizadas para o plantio da próxima safra. Os policiais também encontraram e queimaram 10 prensas hidráulicas, utilizadas para transformar a maconha picada em tabletes no formato de tijolos.

Se as lavouras fossem colhidas e a droga comercializada, a Senad acredita que poderia render cerca de US$ 5,6 milhões ou R$ 9,52 milhões. De acordo com as autoridades paraguaias, cerca de 80% da droga produzida no país é destinada para abastecer as quadrilhas de traficantes brasileiros, principalmente as que possuem raízes em cidades como Rio de Janeiro e São Paulo.

Leia Também