PROTEÇÃO Á CRIANÇA

Seminário na Capital discute experiências de cidade italiana

Seminário na Capital discute experiências de cidade italiana
10/07/2012 00:00 - DA REDAÇÃO


A experiência da cidade de Turim (Itália) no acolhimento institucional e na discussão das ações de enfrentamento ao abuso e maus tratos à infância estará em debate no Seminário “Construção da Rede de Proteção à Criança e ao Adolescente e suas Famílias” que acontece hoje (10) e quarta-feira, no Grand Park Hotel (Av. Afonso Pena, 5282). O evento está marcado para acontecer às 9h e faz parte de mais uma ação do intercâmbio de Campo Grande com a cidade de Turim cuja proposta é a produção de um Plano Municipal de Convivência Familar e Comunitária e do Protocolo da Rede de Atenção e Proteção.

O encontro, promovido pela Sas (Secretaria Municipal de Políticas, Ações Sociais e Cidadania) com recurso da ARAI (Agenzia Regionale per le Adozioni Internazionali – Regione Piemonte/Itália) com parceria da Escola de Conselhos da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, na realização busca implementar a capacitação e contribuir para a articulação, integração e fortalecimento do funcionamento da Rede de Proteção à Crianças, ao Adolescente e suas Famílias em âmbito local, bem como o aperfeiçoamento da gestão da política de atendimento na área de proteção integral.

Da Itália, participam do evento a médica Giulia Mortara, membro da equipe multidisciplinar sobre abuso e maus tratos à infância no distrito de Capuletto Rosso (Turim) e a socióloga, Norma Perotto que é supervisora e treinadora para os educadores das comunidades residenciais em Turim.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".