Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Sem ponte, cai o turismo na região da Estrada-Parque

17 MAR 10 - 00h:17
A demora na reforma e recuperação da ponte de madeira sobre o Rio Miranda, no Passo do Lontra (Pantanal da Nhecolândia), e a indefinição do início da construção da estrutura de concreto prometida pelo Governo do Estado, está afetando o turismo na Estrada-Parque e onerando ribeirinhos e fazendeiros com a tarifa abusiva na travessia de balsa. Reunião para discutir a gestão e os problemas estruturais da estrada ecológica, segunda-feira (15), entre Governo do Estado, Prefeitura Municipal de Corumbá e a comunidade local apontou o acesso à região como maior dificuldade para desenvolver o turismo, a produção bovina e a melhoria da qualidade de vida dos moradores. O ponto nevrálgico é a travessia no Miranda. No final de 2009, um caminhão transportando retroescavadeira quebrou a ponte, que já apresentava problemas na sua estrutura. O governo contratou uma empresa para fazer o transbordo dos veículos, sem custos, mas a partir de 29 de janeiro, quando passou a operar balsa maior, são cobrados R$ 40 (caminhão) e R$ 25 (carro de passeio e picapes). Ribeirinhos, pousadas e fazendeiros pagam por travessia e muitos passam por ali duas ou mais vezes por dia. Em fevereiro, um empreendimento próximo ao Lontra teve uma despesa de R$ 1 mil com a balsa para transportar seus turistas. “Isso inviabiliza o turismo e quebra o fazendeiro, que já paga o Fundersul”, diz João Julio Dittmar, dono de pousada no Rio Vermelho. Demora A reforma da ponte no Miranda deve demorar mais de quatro meses e o serviço está lento. Apenas cinco operários trabalham na recomposição de seus esteios e pilares. A reconstrução da parte que desabou ainda não tem previsão, o que preocupa os usuários da estrada. O Estado informou que a ponte de concreto depende de licitação e a obra deve começar em julho. Segundo a associação dos moradores a balsa demora até uma hora para atender a um veículo, principalmente com a redução do tráfego após o intenso movimento em janeiro e fevereiro para retirada do gado devido a cheia no Pantanal. Hotel mantém carro do outro lado da ponte, sentido Buraco das Piranhas, à noite, para eventual emergência.
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Felpuda

BRASIL

Envolvimento de agentes de saúde pode acelerar diagnóstico de câncer

BRASIL

Tratamento para doenças raras precisa de investimentos em pesquisa

BRASIL

Motorista embriagado invade lanchonete, atropela 4 e mata jovem

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião