ALERTA

Sem material, lotéricas estão à beira do colapso

Sem material, lotéricas estão à beira do colapso
20/02/2014 00:00 - DA REDAÇÃO


       Atraso da CEF na reposição de material gera preocupação de lotéricos (Foto: Álvaro Rezende)

"Vai parar o atendimento”. O alerta é feito pelo presidente do Sindicato dos Agentes Lotéricos de Mato Grosso do Sul, Ricardo Amado Costa, sobre a paralisação dos serviços oferecidos na rede lotérica por falta de bobinas de papel, mostra reportagem na edição de hoje do jornal Correio do Estado.  Com o material escasso para imprimir comprovantes e jogos, algumas lotéricas já não estão mais recebendo contas, para economizar bobina.

Segundo Ricardo Costa, a situação é generalizada e a paralisação de todo o atendimento é uma questão de tempo, nas contas do sindicalista. “É o fim da picada essa situação. Já temos notícias de lojas que limitaram a operação justamente porque não tem bobina. É um absurdo o que tem acontecido com a rede lotérica”, desabafa Ricardo, que é lotérico há 29 anos.

Responsável pelos serviços lotéricos de todo o País, a Caixa Econômica Federal fica com 11% do que é arrecadado nas lotéricas justamente para garantir o fornecimento de insumos, como bobinas, volantes de jogos e raspadinhas, além da manutenção dos terminais.

De acordo com a reportagem de Patrícia Belarmino, exatamente por ficar com parte da arrecadação para fornecer os insumos, a Caixa é a única responsável pelo fornecimento dos materiais e manutenção dos terminais. Quando o banco não entrega o material, como acontece agora, os lotéricos ficam de mãos atadas. O presidente do sindicato dos lotéricos explica que a bobina, por exemplo, é feita com um material diferenciado e não é comercializada no mercado. “É uma bobina específica, tem especificações técnicas. Não existe no mercado”, diz. 

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".