Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

R$ 7,1 MILHÕES

Sem licitação, prefeitura joga verbas de emendas para Capital no lixo

3 FEV 14 - 00h:00DA REDAÇÃO

Faltando apenas licitar várias obras em Campo Grande, a prefeitura perdeu o prazo e jogou R$ 7,1 milhões no ralo, segundo reportagem na edição desta segunda-feira (03) do jornal Correio do Estado. A verba provinha de emendas parlamentares empenhadas em 2012 e precisava ter sido usada ano passado. Entre as melhorias, estava prevista a pavimentação de seis bairros da Capital.

O montante total disponibilizado pelas emendas era de R$ 7.151.000,00, segundo fontes da Caixa Econômica Federal, que confirmaram a informação ao Correio do Estado.
A verba deveria ter sido licitada e empenhada pelo prefeito Alcides Bernal (PP) em 2013. Como o progressista não agilizou o processo, os recursos milionários foram perdidos pela administração pública.

Sem as obras, quem sai perdendo é a população. Inaugurado há aproximadamente três anos, o Conjunto Habitacional Ramez Tebet, na região Sul de Campo Grande, poderia começar 2014 caminhando para ter 100% de asfalto, promessa que ficou só no papel. Para a pavimentação do bairro, a prefeitura tinha R$ 1,29 milhão em mãos. 

“Isso aqui está uma tristeza, é só chover que ninguém sai de casa, e só ouvimos promessas em época de campanha, asfalto que é bom, nada”, reclamou a aposentada Adelaide Maria Sobreiro, 69 anos (foto acima). Moradora da Rua Kalina Danche Demetrio, no Ramez Tebet, ela relata que além dos problemas causados pela chuva e lama, a falta da pavimentação ajuda no acúmulo de mato e bicho na região.

Decepção

Para o deputado federal do PMDB, Fabio Trad (foto ao lado), a não concretização das emendas parlamentares deixa um sentimento de decepção. 

“Os parlamentares lutam por essas emendas, que têm que ser aprovadas”, explicou. “Quando não a vemos efetivadas, fica a sensação de decepção”, emendou. A reportagem é de Vinícius Squinelo.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

BRASÍLIA

Governo se rende às indicações políticas para aumentar base

BRASIL

Luiz Eduardo Ramos: 'Quero fidelidade ao governo nas pautas para o País'

DOURADOS

Após morte de criança em hospital, polícia investiga suspeita de estupro

Laudo médico encontrou lesão antiga sem relação com o óbito
BRASIL

Bolsonaro tem até 4 de outubro para vetar ou sancionar lei eleitoral

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião