quarta, 18 de julho de 2018

Sem a presença de principais lideranças, PT homologa candidatura de Teruel

29 JUN 2008Por 19h:00
     

Lidiane Kober

 

Sem a presença das duas principais lideranças do partido no Estado, o PT homologou hoje a candidatura do deputado estadual Pedro Teruel para a Prefeitura de Campo Grande e ganhou a adesão do PSL. Apesar da ausência do senador Delcídio do Amaral e do ex-governador José Orcírio dos Santos, os petistas asseguraram que as diferenças internas fazem parte do passado e que em nome do fortalecimento da legenda o partido entra unido na disputa pela sucessão da prefeitura da Capital.

A promessa de unidade veio de todas as lideranças petistas, que pela primeira vez assumiram em público as divergências internas enfrentadas durante o processo que definiu a postura petista nas eleições da Capital, mas sempre destacando um futuro sem rixas.

Na contramão do discurso somente a ausência de Delcídio, principal padrinho da candidatura de Teruel e, de José Orcírio. O senador estaria em São Paulo, efetivando exames médicos e o ex-governador no interior do Estado. Delcídio enviou uma carta, declarando apoio irrestrito ao candidato petista. Já José Orcírio, tem conversa agenda com Teruel para a próxima terça-feira.

 

Aliado de última hora

Mas não foram só os discursos de união que empolgaram os petistas. A euforia foi geral quando a presidente municipal da sigla, vereadora Thaís Helena, anunciou o adesão de última hora do PSL. "Na chapa que o PMDB montou, sentíamos que iríamos carregar o piano para eleger o Marcelo Bluma (PV). Com o PT observamos chances reais de eleger um vereador", explicou o presidente regional do PSL, Emídio Millas.

Depois da surpresa, o PT irá rever a formação da chapa proporcional. No total, 42 nomes pleiteiam uma vaga, mas pelo menos oito precisam desistir para abrir espaço para cinco candidatos do PC do B e para três do PSL.

Leia Também