Segunda, 19 de Fevereiro de 2018

Poluição

Seis toneladas de lixo são retiradas do Lago do Amor

10 JAN 2011Por MICHELLE ROSSI00h:00

Seis toneladas de lixo foram retiradas durante todo o ano de 2010 do Lago do Amor, ponto turístico de Campo Grande localizado no campus da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). São garrafas pet, pneus e objetos inusitados como para-choques de veículos e até pedaços de sofás que, após serem retirados, são jogados no Lixão da Capital. A sujeira vem dos córregos Cabaça e Bandeira, que desembocam no lago, bem como é lançada por visitantes do local ou mesmo alunos do próprio campus. Uma das ações para tentar diminuir a poluição será a instalação nos próximos dias de novas lixeiras.

De acordo com João Jair Sartorelo, gerente de serviços gerais da UFMS e responsável pela limpeza do Lago do Amor, em meio ao lixo retirado do local também estão materiais orgânicos, como galhos de árvores e aguapés. “Mas, se formos analisar a quantidade de lixo, as garrafas pet e as sacolas plásticas ganham em disparado, só que o peso da sujeira fica maior quanto acrescentamos os galhos e aguapés”, explica.

O lixo jogado por moradores nas ruas de bairros próximos à UFMS, como a Vila Carlota e Universitário, vai parar no Lago do Amor. O problema é que as chuvas “lavam” as vias e acabam arrastando a sujeira para os córregos que estão canalizados em vários trechos. Outro problema são as pessoas que jogam seus lixos diretamente nos córregos.   
Periodicamente o lago tem de ser limpo com a retirada dos materiais citados. Em época de chuva, a limpeza é realizada de 15 em 15 dias e, em época de estiagem, a cada 30 dias. Quem for ao local também vai observar que a água do lago está turva, mas não há motivo para preocupação, pois “em épocas de chuvas é comum que a água fique barrenta”, explica o gerente do lago.

Fauna privilegiada
Ponto turístico da cidade, o Lago do Amor reúne a exuberância da natureza e é habitat de animais como capivaras, jacarés, araras, tucanos e até tuiuiús – ave símbolo do Pantanal.

Leia Também