Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Seis meses depois, prefeitura terá que reordenar trânsito

23 ABR 10 - 07h:23
FlÁvio Paes

A Agência Municipal de Transporte e Trânsito (Agetran) vai promover novas mudanças no ordenamento do sistema viário na confluência da Rua Joaquim Murtinho com as avenidas Marquês de Lavradio e Marquês de Pombal, em Campo Grande. Em outubro do ano passado, há seis meses, portanto, foi inaugurado o atual ordenamento com semáforos, projetado para atender ao fluxo de tráfego gerado pela inauguração de dois supermercados na região. Deve ser aberta uma alça e assim facilitar a entrada na Marquês de Lavradio, que é a principal via de acesso ao Extra Supermercado, de quem vem no sentido bairro/centro.
Ano passado, o trânsito neste trecho da Joaquim Murtinho ficou vários meses interditado para que fosse retirada a rotatória que existia na confluência da Marquês de Lavradio com a Marquês de Pombal. Foram colocados semáforos que regularam o fluxo de veículos. Mesmo assim o tráfego fica confuso especialmente nos horários de entrada e saída do trabalho, início e término das aulas, com a passagem na Joaquim Murtinho ficou obstruída (mesmo no sinal verde) pelos veículos que manobram para entrar no pátio do supermercado.

Via Parque
Enquanto prepara mudanças na Rua Joaquim Murtinho, a Agetran estuda também projetos para tentar eliminar dois pontos críticos no trânsito da Via Parque, no cruzamento com a Rua Antônio Maria Coelho e na rotatória com a Avenida Mato Grosso.
No primeiro trecho, a solução está viabilizada: será colocado um semáforo no cruzamento Via Parque/Antônio Maria Coelho. Antes disso, será aberta uma rua, pouco depois do prédio da Plaenge em construção, de acesso à Mato Grosso.
A solução para os congestionamentos na rotatória da Mato Grosso com a Via Parque depende de recursos federais. A prefeitura quer construir no local um mergulhão (uma espécie de túnel que passa por baixo das ruas, liberando espaço para praças e o tráfego de pessoas por cima delas). “Estamos na expectativa de incluir a obra dentre os outros projetos de mobilidade urbana do PAC 2”, explica o diretor da Agetran, Rudel Trindade. A Capital pleiteou R$ 135 milhões para estes e vários projetos viários.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

BRASIL

Judeus reclamam do uso de símbolos por Bolsonaro

BRASIL

Moro autoriza envio da Força Nacional para combater desmatamento

BRASIL

Evangélicos cobram transferência de embaixada em Israel

Caminhão derrama agrotóxico em rodovia e 'pinta' pista de vermelho
BRASIL

Caminhão derrama agrotóxico em rodovia e 'pinta' pista de vermelho

Mais Lidas