URBANISMO

Segurança puxa crescimento de condomínios fechados na Capital

Segurança puxa crescimento de condomínios fechados na Capital
17/06/2012 13:15 - LUCIA MOREL


Segurança. Para as famílias que escolheram morar em condomínios fechados essa é a palavra de ordem. Seja em empreendimentos para as classes C e D quanto para A e B, o objetivo é se ver livre de riscos de assaltos ou invasões de domicílio. No entanto, essa ansiada segurança pode ser um tiro que sai pela culatra, já que, a maioria dos residenciais fechados são erguidos em áreas com grandes vazios urbanos, o que, de fato, aumenta a insegurança.

A jornalista Nanci Silva, 44 anos, mora há dois no Damha I. Ela morava no bairro Otávio Pécora, e sua casa já havia sido assaltada três vezes. “Tinha grade, muro alto, mas nem isso evitava a ação dos bandidos”, disse. Apesar de afirmar que a primeira opção por se mudar de uma casa em bairro e ir para outra em um residencial foi uma melhor qualidade de vida, ela também afirma que visou mais segurança. “No fim das contas, o mais barato (morar no bairro) saía mais caro”.

Leia a reportagem completa.
 

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".