Sábado, 24 de Fevereiro de 2018

INSATISFEITO

Se DEM não mudar, Teixeira deixará o partido

25 NOV 2010Por lidiane kober05h:30

Infidelidade partidária pode deixar o DEM sem representante na Assembleia Legislativa. Nos últimos dias, o deputado Zé Teixeira vem ameaçando deixar a sigla se "o partido não tomar jeito". Segundo ele, prefeitos e vereadores "usaram a legenda apenas para se eleger e, agora, fazem campanha para candidatos de outros partidos".

O parlamentar não poupou nomes, elencando, sem medo, os supostos infiéis. As principais críticas partiram contra o presidente do diretório municipal de Campo Grande, vereador Airton Saraiva. "Ele entrou no DEM pela mão do Puccinelli (governador André Puccinelli) e até hoje não fez nada para o partido crescer", declarou.

Ainda segundo Teixeira, Saraiva pediu votos para o deputado estadual Paulo Corrêa (PR) nas últimas eleições. "Se você tem mandato, deve cumprir a regra partidária e ajudar a sigla crescer", defendeu.

Também teriam contrariado a norma de fidelidade partidária os prefeitos de Camapuã e Cassilândia, respectivamente, Marcelo Pimentel Duailibi (DEM) e Carlos Augusto da Silva (DEM). "O prefeito de Camapuã fez campanha para o Jerson (deputado estadual Jerson Domingos, do PMDB) e o de Cassilândia para o Akira (deputado estadual Akira Otsubo, do PMDB)", contou. "Portanto, da forma como está não vou ficar no DEM", completou.

Antes de oficializar a saída do partido, Teixeira dará uma última cartada. Seu plano é assumir o comando da legenda ao lado do deputado federal eleito, Luiz Henrique Mandetta e promover uma varredura dos infiéis. "Estou no quarto mandato sozinho na Assembleia. Sou um deputado sem bancada, portanto peso de decisão. Quero mudar isso, promovendo o crescimento do partido", afirmou. Ao deixar o DEM, o parlamentar pode ser alvo de processo, se o partido resolver requerer na Justiça seu mandato.

Leia Também