Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

MAIS MÉDICOS

Satisfeita, médica cubana anda de ônibus e mora no Aero Rancho

Satisfeita, médica cubana anda de ônibus e mora no Aero Rancho
16/02/2014 00:00 - DA REDAÇÃO


Desde que chegou a Campo Grande por meio do “Programa Mais Médicos”, há três meses, a médica cubana Líbia Esther Hernandez, 42 anos, reveza-se entre o atendimento diário à população e uma especialização na área de saúde da família, feita uma vez por semana. A rotina seria como a de qualquer médico do município, não fossem alguns detalhes – para locomover-se até a Unidade Básica de Saúde da Família (UBSF) onde atua, no Jardim Batistão, ela quase sempre utiliza transporte público e mora em um condomínio no Conjunto Aero Rancho, próximo ao bairro onde trabalha. Assim como Líbia, esse é o cotidiano de mais quatro médicos cubanos intercambistas na Capital, situação que contrasta com a de muitos médicos recém-formados que fazem residência na cidade. A reportagem está na edição de hoje do jornal Correio do Estado

“Estou contente de estar aqui. (MS) é um estado muito bom, até agora todas as pessoas se portaram muito bem conosco”. É assim, com um sorriso e falando pausadamente (sempre) em espanhol, que a médica descreve a estadia em Mato Grosso do Sul e Campo Grande, no intervalo entre uma consulta e outra no posto de saúde, durante entrevista exclusiva ao Correio do Estado. A conversa, com aproximadamente 20 minutos de duração, foi acompanhada pela assessoria de imprensa da Secretaria Municipal de Saúde e pela gerência da UBSF.

O idioma diferente não interferiu em nenhum momento da entrevista, a não ser quando questionada sobre seu salário e se ele tem sido suficiente para manter-se na cidade, momento em que a profissional disse não entender a pergunta. Questão repetida, a resposta foi em tom de cautela, sem citar números nem como é exatamente a forma de repasse do auxílio para moradia, transporte e alimentação. A reportagem é de Daniella Arruda.

Felpuda


As várias e várias mensagens que vêm sendo trocadas em grupos fechados, e para poucos, são de que algumas alianças poderão acontecer, mas mediante a troca de comando em alguns órgãos importantes. Seriam entendimentos para atender siglas de matizes bem diversos que vêm tentando criar dificuldades para vender facilidades. Se as negociações forem concretizadas, tornarão os caminhos sem muitas barreiras. A conferir.