Campo Grande - MS, segunda, 20 de agosto de 2018

CARPEGIANNI

São Paulo tem 'qualidade' para vencer Barcelona

17 ABR 2011Por uol15h:00

O técnico Paulo César Carpegiani completa neste domingo, às 16h (horário de Brasília), contra o Oeste, 100 jogos no comando do São Paulo – somando as duas passagens pelo clube. Confiante em seu elenco atual, o treinador disse, em entrevista ao jornal Lance!, que a sua equipe seria capaz de parar o Barcelona de Lionel Messi. Além disso, o técnico imaginou o volante Everton, sombra de Lucas nos duelos contra o Santa Cruz, fazendo marcação individual no camisa 10 argentino.

“Tenho qualidade para isso [vencer o Barcelona]. Agora, tem um cara que desequilibra demais, que é o Messi. Ele joga tudo. Não Poderia fazer nele marcação especial”, afirmou Carpegiani ao diário.

Apesar de ressaltar a dificuldade de se marcar Messi, o técnico imaginou uma situação inusitada: Everton, do Santa Cruz, marcando individualmente o craque. “Sabe que outro dia pensei no menino do Santa Cruz, Everton Sena, marcando Messi. Ele conseguiu parar Lucas. O cara é rápido, destinado a fazer aquilo. Fomos pegos de surpresa com aquela marcação individual. Contra Messi, ele seria expulso toda hora pela experiência que o argentino tem. Mas que ele iria complicar Messi, iria”, ressaltou.

Carpegiani exaltou bastante o time catalão, afirmou que o técnico Pep Guardiola tem um craque em cada posição, mas não esqueceu que o craque argentina faz toda a diferença. “O Barcelona depende muito do Messi. Ele é 50% do time. Sem ele, o Barça seria outro, pode ter certeza”, opinou.

Com um retrospecto de 61 vitórias, 12 empates e 26 derrotas pelo São Paulo, Carpegiani não se autoavalia como um grande técnico, mas destaca o seu ponto forte: a observação. “Modestamente, não sou um grande treinador, mas sou muito observador. Acima de tudo, sei reconhecer as características de um jogador de futebol, a versatilidade de um jogador, e tirar o máximo proveito disso. Isso sei Fazer”, explicou.

O treinador de 62 anos já soma 30 anos nesta função, se considera um aficionado e disse que sofre bastante pressão em casa para deixar o futebol, até porque antes Carpegiani já fazia parte do mundo do futebol como atleta. A esposa é a que mais torce pela aposentadoria do técnico. “[Ela] reclama, por isso que ela não quer deixar eu continuar. Sempre faço uma promessa que vou parar. Há muito tempo ela cobra isso, mas, com a ajuda dos filhos, consegui ‘enganá-la’. Cada vez que pego um time é um parto”, afirmou. 

Leia Também