24 DE AGOSTO

São Paulo lança versão de 'Soberano' sobre Mundial de 2005

São Paulo lança versão de 'Soberano' sobre Mundial de 2005
01/08/2012 00:00 - terra


Está marcada para 24 de agosto a estreia nos cinemas do filme "Soberano 2 - A Heroica Conquista do Mundial de 2005". A produção reúne depoimentos de torcedores e membros participantes do terceiro título mundial do clube, vencido há quase sete anos no Japão.

Os são-paulinos puderam contribuir com a película enviando desde setembro vídeos e suas histórias sobre a conquista. A equipe de produção informa que também falou com torcedores do Liverpool, time derrotado por 1 a 0 na decisão em Yokohama - gol de Mineiro, com passe de Aloísio.

Além do autor do gol do título, deram entrevistas para o filme o zagueiro Lugano, atualmente no Paris Saint-Germain, da França, o já aposentado atacante Amoroso e o goleiro Rogério Ceni, ainda no time tricolor paulista e recordista no número de partidas com a camisa do clube. Membros da comissão técnica chefiada por Paulo Autuori também participam da produção.

A produção e distribuição do longa-metragem é da G7 Cinema. A direção e o roteiro são de Carlos Nader e Maurício Arruda e a trilha sonora, do ex-membro do Titãs Nando Reis. Os três são-paulinos já participaram do filme "Soberano - Seis Vezes São Paulo", lançado em 2010 com a história de todos os títulos brasileiros vencidos pelo clube.

O departamento de marketing são-paulino ainda tem projetos para filmes sobre o estádio do Morumbi e outras conquistas, como a do bicampeonato mundial em 1992 e 1993 e das três Libertadores, vencidas em 1992, 1993 e 2005.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".