Santos pode ter até técnico 'reserva' contra o Flamengo

Santos pode ter até técnico 'reserva' contra o Flamengo
16/06/2012 19:00 - terra


O foco do Santos na Copa Libertadores da América é tão grande que, na partida contra o Flamengo, neste domingo, no Engenhão, até o técnico da equipe pode ser "reserva". Muricy Ramalho irá ao Rio de Janeiro, mas pode assistir ao jogo das arquibancadas, deixando Tata, seu auxiliar, no banco de reservas nesta quinta rodada do Campeonato Brasileiro.

Isso porque o treinador irá comandar um treinamento, na manhã de domingo, no CT Rei Pelé, apenas com os jogadores considerados titulares. Depois da atividade, ele sobe a serra e embarca para o Rio de Janeiro.

"Vou chegar em cima da hora (do jogo), mas não sei nem se vou para o jogo. Estarei no Engenhão, mas preciso ficar aqui (no CT Rei Pelé, pela manhã) para treinar o time, pois teremos outra chance para treinar. Já conversei com os jogadores. Domingo será uma atividade um pouco mais intensa, mas não exagerada. Só o fato deles estarem aqui será importante", comentou.

O treinamento será com portões fechados, sem a presença de torcedores ou jornalistas. Assim, Muricy pretende arrumar o posicionamento do time, testar variações táticas e ensaiar jogadas de bola parada.

Apesar de ainda não ter vencido no Brasileiro deste ano, o treinador não teve dúvidas em escalar os jogadores reservas no duelo contra o Flamengo. "Seria bobagem (escalar os titulares) porque o foco não estaria nesse jogo. Os exames depois da partida contra o Corinthians mostraram que tem muito jogador para estourar", explicou Muricy.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".