Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Novas medidas

Santa Casa pode se tornar uma fundação e terá oito leitos de UTI reabertos na segunda

31 MAR 11 - 17h:27Laís Camargo e Vivianne Nunes

A Secretária de Saúde do Estado, Beatriz Dobashi, informou na tarde de hoje durante entrevista coletiva, que a Santa Casa deve passar por transformações jurídicas que a irão transformar em Fundação. O anúncio foi feito após a reunião que durou cerca de três horas e contou com a participação da junta interventora da Santa Casa, do prefeito de Campo Grande, Nelson Trad Filho, do procurador do Ministério Público Estadual (MPE), Mauri Reciotti e do procurador do Ministério Público Federal (MPF), Felipe Frites Braga, entre outras autoridades.

Segundo a secretária Dobasho, a transformação do hospital em Fundação, é algo a ser estudado a longo prazo. A decisão irá facilitar a administração da unidade com o apoio tanto do governo do estado quanto do município

Na ocasião, Nelsinho prometeu a reativa de oito leitos de UTI que não estavam sendo utilizados por falta de equipamento, para segunda-feira (4),

Outra medida anunciada é a publicação em Diário Oficial de todos os gastos da Santa Casa desde o início da intervenção ocorrida em 2005. O prefeito também garantiu que na próxima semana o sistema de refrigeração de ar condicionado da UTI Neo Natal será consertado.

 O encontro que reuniu representantes do Ministério Público Estadual e Federal além de representantes do governo do Estado e da Prefeitura de Campo Grande e da Junta Interventora da Santa Casa, é a mesma reunião que acontece todas as quintas-feiras para tratar de questões administrativas. Hoje, porém, o assunto tomou proporções maiores com a busca de soluções para problemas como a falta de leitos em UTIs e equipamentos sem condições de funcionamento.

Doação

Durante entrevista o prefeito anunciou ainda a compra de equipamentos de 12 leitos por parte do pecuarista Antônio Moraes dos Santos, que cancelou recentemente a doação de R$ 23 milhões que seriam destinados a construção do prédio de oito andares anexo a sede do Hospital do Câncer Alfredo Abrão, em Campo Grande.

 A secretária de saúde do Estado afirmou durante entrevista coletiva que o hospital está tomando medidas imediatas para a retirada de leitos do centro cirúrgico da UTI e com isso, a liberação do centro cirúrgico.

“Isso é uma questão pontual, não resolve o problema da Santa Casa”, afirmou a secretária. Para ela ainda faltam recursos, a regulamentação interna do hospital e do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e também que o Hospital Universitário cumpra o que foi pactuado e aceitar lá a ortopedia de menor complexidade e deixando somente a de maior para a Santa Casa. “A crise foi levantada mas não é única e nem isolada”, afirmou Dobashi.

Sobre a transformação da Santa Casa em fundação a secretária diz que servirá para que haja a coparticipação da gestão pública – governo e município – para captação maior de recursos, facilidade para contabilidade, compras. Seria uma gestão moderna e com controles melhores por parte do Estado.

Fiscalização

Sobre a participação do Ministério Público Estadual e Federal na reunião ela argumentou que é natural. “Eles são autores da ação judicial. O Estado e o município foram condenados à intervenção por ação que teve início no Ministério Público e encontrou guarita na Justiça”.

A Santa Casa de Campo Grande está sob intervenção desde 2005 quando a Associação Beneficente Campo Grande foi afastada da administração por irregularidades comprovadas pelo Ministério Público e acatadas pela Justiça. A previsão era de que a intervenção chegasse ao fim no ano passado, mas acabou prorrogada por mais três anos.

 Para o procurador do MPE, Mauri Reciotti, a reunião foi produtiva e serviu para discutir não apenas os assuntos relacionados à Santa Casa, mas ao problema da saúde como um todo. “O papel do MPE e MPF é acompanhar a evolução do processo”, afirmou. Ele afirmou ainda que a transformação do hospital em fundação será ideal para a fiscalização. “A fundação é mais transparente e a lei obriga que fiscalize de maneira mais formal e rotineira”, afirmou.

 

 

 

 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

BRASIL

Tarcísio, ministro da Infraestrutura, vira queridinho de Jair Bolsonaro

BRASIL

Em resposta a Bolsonaro, Maia diz que presidente é quem agride nas redes sociais

Júri condena dois acusados de atacar judeus em 2005 em Porto Alegre
BRASIL

Júri condena dois acusados de atacar judeus em 2005 em Porto Alegre

BRASIL

Brumadinho: sobe para 212 o número de mortos identificados em tragédia

Mais Lidas