sábado, 21 de julho de 2018

Sanguinetti insiste em dizer que Isabella não teria sido esganada

1 JUN 2008Por 11h:30
     

        O médico alagoano George Sanguinetti, contratado para analisar os laudos periciais do caso Isabella, disse neste sábado que manterá sua versão sobre o crime, mesmo se chamado a uma interpelação judicial. Na opinião de Sanguinetti, contratado pela família de Alexandre, a menina não foi esganada.

        A Associação dos Peritos Criminais do Estado de São Paulo (Apcesp) prometeu entrar na segunda-feira com uma ação para pedir esclarecimentos ao médico, uma vez que, em entrevista coletiva na última segunda-feira, Sanguinetti classificou o laudo oficial como "medíocre, falho e sem valor probatório". Os quatro peritos do Instituto de Criminalística que assinaram o laudo pretendem, ainda, processar o médico por danos morais. Não decidiram ainda, no entanto, quando protocolarão a ação.

        Para a presidente da Apcesp, Maria do Rosário Serafim, a retratação não evitaria a ação judicial. "Ele só faltou acusar os profissionais de falsa perícia", disse. "O mínimo a fazer seria pedir desculpas com o mesmo estardalhaço com que os ofendeu." O médico reclamou da reação dos peritos paulistas: "Como não podem me rebater tecnicamente, eles me atacam no pessoal. Mas ninguém vai me calar."
        

Leia Também