VIOLÊNCIA DOMÉSTCA

Sala inaugurada com 'clientela' de 480 condenados

Sala inaugurada com 'clientela' de 480 condenados
17/07/2012 14:00 - DA REDAÇÃO


Com 480 homens condenados a participar do projeto por violência doméstica, foi inaugurada hoje (17) a sala do Projeto ''Penas Alternativas e Violência de Gênero", no fórum de Campo Grande, uma iniciativa pioneira no país.

O atendimento consiste na realização de oficinas com caráter educativo e de responsabilização, envolvendo questões ligadas às relações de gênero, sexualidade e saúde, masculinidades, violência contra a mulher, mundo do trabalho, uso do álcool e outras drogas, família, entre outros.

No local serão realizadas as triagens dos processos que participarão do projeto. “O juiz é que determinará quem deve cumprir a pena alternativa, mas vale ressaltar que, ao ser condenado a participar do projeto, o agressor não estará livre de cumprir a pena criminal, afinal o que começa com um grito não pode terminar no silêncio”, afirmou o desembargador do Tribunal de Justiça do Estado Ruy Celso Barbosa Florence.

 “Esse projeto vem ao encontro da necessidade de atender o homem agressor. A oficina de reflexão tem o intuito de sensibilizar, monitorar e orientar este homem”, comenta a coordenadora Especial de Políticas Públicas para a Mulher, Tai Loschi.

Após análise processual, a equipe multidisciplinar entrará em contato com o agressor informando que ele está convocado a participar das oficinas que acontecerão no Centro de Educação e Reabilitação do Homem Agressor. No Centro ele passará por uma entrevista com a equipe formada por psicólogos e assistentes sociais. 

Mato Grosso do Sul é o 5º Estado com maior índice de assassinato de mulheres do País, do qual 90% estão relacionados à violência doméstica. 

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".