Sexta, 23 de Fevereiro de 2018

CHURRASCO CARO!

Saiba os motivos da alta na carne bovina

11 FEV 2011Por FOLHA DE SÃO PAULO00h:01

A primeira reação do consumidor ao se deparar com os elevados preços da carne bovina é culpar o varejo.

Mas desta vez o supermercado não tem culpa -pelo menos não toda. Os aumentos seguidos da picanha, da maminha e da alcatra do churrasco decorrem da boa e velha lei de mercado. No momento atual, a demanda está aquecida e a produção não tem condições de evoluir.

O consumo está quente porque o brasileiro tem mais recursos em mãos e, com isso, quer a carne bovina mais vezes por semana no prato.

Estudos de economistas de várias partes do mundo apontam para o aumento da procura por carne vermelha sempre que há mais dinheiro circulando.

Ou seja, se a economia está aquecida, é sinal de maior procura por carne. Isso ocorre em todos os países em expansão, os emergentes. No Brasil não é diferente.

Ocorre que o aquecimento da economia nos últimos dois ou três anos pegou a cadeia da carne bovina em um momento especial. A atividade vive historicamente períodos de altos e baixos da produção. O atual é de baixa oferta.

Os fatores são vários. Um dos mais relevantes é o elevado abate de fêmeas, que atingiu patamares próximos de 50% em alguns momentos dos últimos anos.

Isso significa que os frigoríficos chegaram a trabalhar com volume equivalente de machos e fêmeas, quando o percentual ideal está na faixa dos 30% de vacas.

Esse crescimento do abate das fêmeas ocorreu -e alguns analistas defendem que ainda ocorre, porém em níveis um pouco inferiores- por diversos motivos.

De um lado, o pecuarista convivia (entre 2004 e 2009, especialmente) com baixos preços da arroba do boi gordo. Assim, não se motivava a segurar as matrizes para reprodução.

De outra parte, os frigoríficos nunca tiveram tantos contratos para exportação.

Assim, conseguiam aten- der aos pedidos adquirindo matéria-prima (gado) por valores baixos.

O consistente e crescente aumento do consumo doméstico e o fortalecimento do real ante o dólar desequilibraram essa balança. Os frigoríficos passaram a valorizar a demanda interna, além de se manter ativos externamente. Porém, a produção estava reduzida por conta dos motivos já expostos.

O resultado é a carne bovina no varejo pressionando os índices inflacionários, o que é ruim para o país e arranha a imagem da atividade.

Como evitar essa gangorra? Defendo uma política clara, que permita aos pecuaristas o planejamento e o investimento a médio e longo prazos. Sem nenhuma segurança para segurar as fêmeas na fazenda, a saída é vendê-las.

Porém, a pecuária é uma atividade de ciclo longo. São necessários pelo menos dois anos para colocar um animal no peso ideal para abate.

O pecuarista prefere estabilidade a ganhar muito em um momento e perder em outro. Para que isso ocorra, é preciso ter mecanismos para sua proteção.

Linhas de crédito especiais para determinados momentos, como os de redução drástica e rápida dos preços do boi gordo, por exemplo, podem ser um caminho.

Mas certamente há outros, e as autoridades precisam estar atentas para isso. Até porque o panorama atual ainda deve se manter por um bom tempo.

Leia Também