terça, 14 de agosto de 2018

CAPITAL

Sacos de areia serão trocados até junho

8 MAI 2011Por DANIELLA ARRUDA00h:01

A substituição dos sacos de areia que faziam a contenção das margens do Córrego Prosa no trecho da avenida Fernando Correa da Costa que vai da rua Ceará até pouco depois da Joaquim Murtinho deve ficar pronto no mês de junho. A informação é do secretário municipal de Infra-estrutura, Obras, Transportes e Habitação, João Antônio De Marco, 70% da obra já foi concluída.
Com um quilômetro de extensão, a intervenção consiste no aumento do muro de gabião - estrutura de arame preenchida com pedras - de 2,5 metros que há no local com o incremento de uma outra estrutura de 1,2 metros. “Isso aqui faz parte da obra da Ceará, que está em fase final”, detalha o secretário.

A contenção das margens do córrego estava incluída no projeto emergencial feito em 2009 para reparar estragos causados pela chuva. O projeto previa intervenções para solucionar a cratera aberta na Ceará, além da implantação das galerias para canalizar a água da chuva no cruzamento da Nelly Martins com a avenida Mato Grosso e na região do Shopping Campo Grande.
O custo total da obra foi de R$ 22 milhões, sendo R$ 2 milhões como contrapartida da administração municipal e o restante do Governo Federal.
Na Ceará a rede pluvial instalada tem uma tubulação com 8x4m de largura e na região do shopping o tamanho é de 7x3,5m. De acordo com o secretário, a conclusão da maior parte das obras melhorou a passagem da água da chuva pelas galerias.
Com o aumento no volume e velocidade da água, é esperado também aumento no nível do córrego Prosa, por isso a necessidade de aumentar o muro de contenção já existente. “Pelo projeto percebemos que poderia se agravar a situação aqui porque é tudo interligado, uma coisa depende da outra”, esclarece De Marco.
Os trabalhos de colocação do gabião estão próximos da Ceará, em um trecho onde o processo erosivo destruiu a margem do córrego. Para refazer o muro, os trabalhadores estão primeiro colocando pedras para firmar as margens. Na rua Ceará, o toque final da obra será a instalação do guard-rail sobre o viaduto.

Durabilidade
De acordo com o secretário, a parte mais antiga do muro de gabião que sustenta a margem do córrego foi feita na década de 1980, o que comprova a durabilidade do material usado, que também possui baixo custo de manutenção.
Sobre os sacos de areia que haviam sido usados na contenção - pelo sistema denominado hip-hap que possui menor custo em relação ao gabião - o secretário defende que a técnica é empregada em vários países da Europa e nos Estados Unidos e, apesar das críticas, foi bem-sucedida também na Capital.
Segundo ele, o que ocorreu no Córrego Prosa foi que a grama colocada sobre os sacos não conseguiu enraizar em alguns pontos, deixando a areia exposta. Apesar disso, a substituição dos sacos pelo gabião ocorreu não pelas falhas, mas devido à previsão de que aumente o nível da água no leito do córrego por conta das melhorias feitas na rede de captação de águas pluviais. (DB)

Leia Também