terça, 17 de julho de 2018

Sacerdote que abençoou Evo é acusado de fazer cocaína na Bolívia

30 JUL 2010Por 00h:30
     

        Um amauta (sábio aimara) que investiu em 2006 o presidente da Bolívia, Evo Morales, como líder espiritual indígena em uma cerimônia andina, foi preso pela polícia antidrogas da Bolívia, acusado de fabricar cocaína líquida, segundo as autoridades.

        Valentín Mejillones Acarapi, de 55 anos, foi preso na terça-feira (27) na cidade de El Alto, próximo a La Paz, depois da descoberta de uma fábrica de cocaína em sua casa.

        Também foram presos seu filho e um casal de colombianos e foram apreendidos 350 kg de droga.

        Mejillones foi identificado nesta quinta como o principal sacerdote indígena que, em 22 de janeiro de 2006, investiu Morales como líder dos povos indígenas, em uma cerimônia em Tiwanaku, um dia antes da posse dele como presidente da Bolívia.

        O porta-voz do governo Iván Canelas negou qualquer ligação de Morales com o preso e disse que o caso precisa ser investigado.

Leia Também