Campo Grande - MS, terça, 21 de agosto de 2018

ENGENHÃO

Ruins de pontaria, Flu e Vasco ficam apenas no empate

27 MAR 2011Por g119h:58

Chances de marcar as duas equipes tiveram, mas este domingo não era dos ataques de Fluminense e Vasco, que ficaram em um empate em 0 a 0 no Engenhão. O duelo, que teve bola no travessão de Eder Luis e algumas boas defesas dos dois goleiros, foi marcado pelo equilíbrio e pela grande quantidade de erros de passe de lado a lado. A igualdade não chega a ser uma novidade para os clubes, já que eles haviam empatado 11 vezes nos últimos 16 confrontos.

Para o Vasco, o resultado, ao menos, serviu para recolocar o time na liderança do Grupo A da Taça Rio, com dez pontos. A equipe da Colina bate o Boavista e Americano (todos com a mesma pontuação) no número de gols marcados. O ponto conquistado não teve o mesmo efeito para o Tricolor, que  segue em terceiro no Grupo B, fora da área de classificação para a semifinal da Taça Rio com oito pontos. Atrás do Olaria (12) e do Botafogo (dez).

No próximo sábado, às 16h (de Brasília), o Flu vai até o estádio Raulino de Oliveira encarar o Volta Redonda. No domingo, no mesmo horário, o Vasco recebe o Bangu em São Januário.

Equipes erram passes

Antes de a bola rolar, o clima era de ironias entre as duas torcidas. Os tricolores, por exemplo, brincavam com o jejum de títulos do Vasco (não vence o Carioca desde 2003). Quando o árbitro apitou o início do jogo, a disputa continuou forte. Empurrados por sua torcida, em maioria no estádio, os cruz-maltinos começaram no ataque, mas, atrapalhados pelos seguidos erros de passe na tentativa de encontrar Diego Souza e Eder Luis na frente, o time deu chance para o Flu crescer.

Mais objetivo, o Tricolor assustou pela primeira vez com Conca em um chute de fora da área que Fernando Prass teve dificuldade para espalmar. Pouco depois, Emerson levou pela ponta direita e cruzou para Fred, que estava de cara para o gol. O capitão do Flu, no entanto, chegou um pouquinho atrasado e não conseguiu empurrar a bola para o gol. Ele ainda teria outra chance depois após aproveitar um desviou de cabeça de Valencia. O camisa 9, desequilibrado, não conseguiu acertar o alvo.

As primeiras duas boas oportunidades do Vasco saíram dos pés de Bernardo. Primeiro, em uma cobrança de falta longa, ele mandou uma bomba, e Ricardo Berna mandou para escanteio. Depois, o meia recebeu passe de Diego Souza e bateu forte, cruzado. O goleiro tricolor conseguiu aliviar o perigo novamente. Mas a melhor chance veio com Eder Luis, aos 37 minutos. O atacante aproveitou um passe errado de Conca e arrancou desde antes do meio de campo até a entrada da área, de onde chutou firme e acertou o travessão.

Antes do fim da primeira etapa, o Vasco ainda chegou com muito perigo. Após boa troca de passes, a bola sobrou limpa para Romulo, que, da entrada da área, chutou forte no ângulo. Ricardo Berna saltou e, de mão trocada, fez uma linda defesa.

Times perdem chances, e o placar não muda

O Flu voltou do vestiário com Deco no lugar de Souza, e o luso-brasileiro logo criou uma boa oportunidade. Ele deu passe para Fred, que enganou o marcador e bateu colocado da entrada da área. A bola passou rente à trave esquerda de Prass. Apesar do bom início, o jogo caiu um pouco de rendimento na segunda etapa. Vendo que seu time estava em dificuldade, Ricardo Gomes também mexeu: promoveu a estreia de Alecsandro, que, aos 14 minutos, entrou no lugar de Bernardo. No lance anterior, os cruz-maltinos pediram pênalti em lance que Eder Luis se chocou com Digão dentro da área. O árbitro mandou o jogo seguir.

Aos 24 minutos, um lance, a chance mais clara de gol até então, esquentou a partida. Marcio Careca deu lançamento na medida para Eder Luis, que ficou de cara para o gol, mas chutou muito mal. Depois, foi a vez de o Flu ameaçar, mas a pontaria não estava em dia. Na primeira, Deco chutou, a bola desviou, e Prass teve dificuldade para defender. Na sequência, Julio Cesar teve duas oportunidades. Primeiro, errou o alvo após tabelar com Araújo. Depois, chutou cruzado, e o arqueiro vascaíno rebateu para o meio da zaga. Ninguém conseguiu aproveitar o rebote.

Apesar da tentativa de pressão tricolor no fim, o árbitro deu o apito final sem que o placar fosse alterado.

Leia Também