Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

RS: bando faz reféns, explode caixas eletrônicos sem dinheiro e foge

RS: bando faz reféns, explode caixas eletrônicos sem dinheiro e foge
25/08/2012 15:15 - terra


Uma agência do Banco do Brasil no município de Picada Café, na serra do Rio Grande do Sul, foi roubada na madrugada deste sábado. Por volta das 2h, um grupo de pelo pelos quatro criminosos rendeu duas pessoas que passavam próximo ao local, invadiu a unidade e usou explosivos nos caixas eletrônicos. Diante da falta de dinheiro nas máquinas, o bando levou malotes com envelopes que estavam na parte interna do prédio.

As duas vítimas capturadas pelo grupo - um motoqueiro e uma pessoa que estava em um bar próximo- foram feitas reféns. "Eles levaram um dos reféns como escudo e liberaram o outro com a orientação de avisar a polícia de que eles estavam com o outro no carro. Depois de fugir, eles liberaram a vítima, mais adiante", relatou o tenente-coronel Marcelo Dornelles dos Santos. Por volta das 11h, o veículo usado na fuga, um Tiida da Nissan preto, foi encontrado em uma estrada do município de Santa Maria do Herval.

De acordo com a Brigada Militar, os criminosos estavam armados com fuzis e carabinas. Na manhã de hoje, a polícia seguia buscando pistas do paradeiro do bando. "Seguimos com barreiras, com patrulhas e com o serviço de inteligência atuando para tentar localizar eles", disse Santos. O tenente acredita que o grupo esteja refugiado em alguma casa da região. "O fato de eles terem abandonado o veículo indica que eles tenham outro para a fuga, então continuamos em diligências."

A polícia não tinha informações se havia dinheiro dentro dos malotes levados.

Felpuda


Alguns políticos estão se aproveitando deste momento preocupante de pandemia para sugerir projetos oportunistas que, em alguns casos, são de resultados extremamente duvidosos. O mais interessante – para não dizer outra coisa – é que se for analisado o desempenho normal dessas figuras, verifica-se que essa preocupação toda nunca esteve no topo das suas prioridades. Ano eleitoral é assim mesmo. Lamentável!