Rocha rebate críticas e mantém candidatura

Rocha rebate críticas e mantém candidatura
07/04/2010 23:23 -


Rose Rodrigues, Três Lagoas

O presidente do PMDB em Três Lagoas, Eduardo Rocha, rebateu críticas da senadora Marisa Serrano (PSDB) e confirmou ontem, que é pré-candidato a deputado estadual e que não vai desistir “por nada nem por ninguém” de disputar uma vaga na Assembleia Legislativa. “Já tenho o aval do meu maior líder, que é o governador André Puccinelli e dentro do PMDB ninguém rejeita a minha candidatura. A reclamação vem de outros partidos”, disse.

O nome dele recebeu resistência de Marisa depois da sua mulher, então prefeita de Três Lagoas, Simone Tebet (PMDB), ser escolhida para a vice de Puccinelli. Simone renunciou ao cargo no último dia 31 de março. A ex-prefeita vai, a partir de agora, se engajar na campanha de reeleição de André e, evidentemente, ajudar na eleição do marido.

Eduardo rebateu duramente as críticas da senadora Marisa Serrano) de que a sua candidatura vai gerar complicações eleitorais com outros candidatos à Assembleia Legislativa da coligação do governador. A senadora chegou a afirmar que ele deveria renunciar. “Não entendo essa posição e ela deve ser pessoal, pois o deputado estadual Reinaldo Azambuja já me procurou para fazermos dobradinha, caso nossos partidos fiquem aliados nas próximas eleições”, afirmou.

”Não há reserva de mercado e quem vai julgar se a candidatura é pertinente é o voto popular. Quem decide é o eleitor e não pode haver caciques que digam quem pode ou não ser candidato”, enfatizou.

Ele ressaltou a manifestação de quatro deputados  não se candidatar à reeleição e, portanto “essas vagas vão ser disputadas por todos os partidos e vai ocupar quem se sair melhor”.

Segundo Eduardo Rocha, o fato de ser marido de Simone Tebet não vai facilitar sua campanha. “Ela como prefeita em Três Lagoas poderia me ajudar muito mais, pois teria mais tempo disponível. Como vice, estará mais empenhada na campanha da chapa majoritária”, argumentou.
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".