Sexta, 23 de Fevereiro de 2018

garçons

Robôs atendem clientes em restaurante na China

23 DEZ 2010Por Terra17h:58

Os garçons prestam o serviço com um sorriso, mesmo que a voz seja eletrônica, uma característica do restaurante Dalu Robot. Os pratos servidos não são tão famosos quanto os robôs que compõem a equipe, já que nunca perdem a paciência nem pedem gorgetas.

O restaurante, que abriu as portas neste mês em Jinan, na provícnia de Shandong, é considerado o primeiro estabelecimento chinês a usar robôs como garçons parecidos com os andróides de Stars Wars, que circulam pelo local carregando bandejas com alimentos em um sistema de transporte.

Mais de uma dúzia de robôs trabalham no restaurante como artistas, garçons e recepcionistas. Cada um deles tem um sensor de movimento que diz para parar quando alguém está no caminho para que os clientes possam pegar os pratos.

O setor de serviços chinês não manteve o mesmo ritmo do rápido crescimento do país, e pode ser um serviço básico em alguns restaurantes, levando os clientes a elogiarem os robôs do restaurante Dalu. "Eles têm uma atitude melhor que os humanos, disse Li Xiaomei, 35 anos, que visitou o restaurante pela primeira vez. "Os humanos podem ser temperamentais ou impacientes. Os robôs não se sentem cansados, seguem trabalhando e se movendo por todo o restaurante durante toda a noite", afirmou.

O dono do estabelecimento, Zhang Yongpei, disse que se inspirou na exploração espacial, na tecnologia de robôs e na inovação mundial. Ele afirma que espera que seu restaurante mostre ao mundo que a China é um sério concorrente no desenvolvimento tecnológico.

Os clientes entram no restaurante iluminado com luzes de neon para simular um ambiente futurista, e uma robô enfeitada com longos cílios diz, com uma voz eletrônica, "bem-vindo". Durante a refeição, grupos de quase 100 convidados são entretidos por um robô dançarino e falante que mais parece um manequim de vestido, agitando os braços em um movimento duro.

Zhang disse que espera implantar 30 robôs nos próximos meses, a um custo de US$ 6 mil cada, e eventualmente desenvolver robôs com qualidades humanas para servir os convidados na mesa e que possam subir e descer escadas.

Leia Também