ESPORTES

Robinho brilha e Santos vence clássico

Robinho brilha e Santos vence clássico
08/02/2010 06:47 -


No clássico de ontem à tarde, o atacante Robinho só entrou em campo depois do intervalo, mas teve tempo para marcar um golaço e garantir a vitória por 2 a 1 do Santos sobre o São Paulo, no fim da ‘turnê’ tricolor na Arena Barueri. O Peixe abriu o placar com Neymar, que deu uma ‘paradinha’ para converter pênalti, no primeiro tempo. Já na etapa complementar, Roger empatou a partida de cabeça. Porém, nos minutos finais, o ‘Rei das Pedaladas’ mostrou por que é exaltado pela torcida santista. Após cruzamento da direita, o camisa 7 completou de letra para marcar um golaço. O resultado levou o time de Dorival Júnior para a liderança do Campeonato Paulista. O Santos teve maior posse de bola no primeiro tempo e rondou mais a área são-paulina. O gol santista saiu aos 38 minutos. Washington errou o passe e a bola ficou para Arouca que tabelou e recebeu nas costas de Miranda e caiu com o choque do zagueiro. Pênalti. Na cobrança, Neymar deu paradinha, Ceni caiu para a direita e o atacante chutou na esquerda. O São Paulo voltou melhor no segundo tempo e teve maior controle do jogo. Aos 22 minutos, já com Robinho em campo, Marcelinho cruzou da direita e Roger, que acabara de entrar, subiu mais que a zaga santista e cabeceou para as redes. Aos 40 minutos, Wesley cruzou da direita e Robinho se antecipou ao goleiro, completando de letra. Reestreia perfeita do craque santista, emprestado até agosto pelo Manchester City.
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".