MOGIM MIRIM

Rivaldo demite treinador pelo Instagram

Rivaldo demite treinador pelo Instagram
27/02/2014 10:45 - goal.com


Presidente e jogador do Mogi Mirim, o veterano meia-atacante Rivaldo demitiu o treinador Aírton Silva de forma inusitada, através de rede social

Prestes a completar 42 anos, Rivaldo se divide entre jogador e presidente do Mogi Mirim. Por vezes atua até mesmo ao lado de sua filho. Se reinventando no futebol, o pentacampeão mundial de 2002 inovou mais uma vez: pela forma como demitiu o treinador Aírton Silva, técnico do Mogi Mirim. Ao final da noite de ontem Rivaldo fez um comunicado oficial através de sua conta pessoal na rede social Instagram.

Rivaldo não ficou satisfeito com a derrota fora de casa por 2 a 0 para a Portuguesa, no Canindé. Foi a segunda derrota seguida do clube, que agora ocupa a penúltima posição no Grupo D do Campeonato Paulista, com 12 pontos ganhos em 11 partidas. O Palmeiras lidera o grupo com 23 pontos.

"Depois da derrota de hoje do Mogi Mirim contra a Portuguesa, o técnico Ailton não estará mais no comando do time. Gostaria de deixar aqui minha gratidão por todo trabalho feito ano passado e este ano no Mogi", declarou Rivaldo na rede social, ao publicar uma foto em que aparece ao lado do ex-treinador.

"Sei que não é fácil montar um time tão rápido como foi para um campeonato tão difícil como é o Paulista. E dizer que a culpa não foi sua, mas quando não tem resultados precisamos mudar para poder dar ânimo aos jogadores. Eu, como presidente, tive que tomar essa decisão depois do jogo no Canindé", completou Rivaldo, eximindo a culpa de Aírton na campanha do clube.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".