CIDADES

Revitalização de parque custará R$ 5 milhões

Revitalização de parque custará R$ 5 milhões
29/01/2010 07:36 - KARINE CORTEZ


Recapeamento de 4,1 mil metros quadrados da pista de caminhada, iluminação e mais acessos para a área interna. Essas são as melhorias ao custo de R$ 5 milhões previstas para o Parque das Nações Indígenas, nos altos da Avenida Afonso Pena. A Agência Estadual de Gestão de Empreendimentos (Agesul) publicou ontem no Diário Oficial edital de licitação para empresas interessadas em executar as obras. O local de 119 hectares, que era gerenciado pelo setor administrativo do Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul, passa para a Gerência de Unidades de Conservação, também ligada ao Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul (Imasul). Os novos gestores pretendem implantar no Parque das Nações projetos de educação ambiental e até mesmo a possibilidade de permitir passeio com bicicleta na área interna, o que hoje é proibido. De acordo com a secretaria estadual de Obras, serão construídos pelo menos dois novos acessos para a parte interna do parque através da Avenida Via Parque. Hoje, os usuários podem entrar no local pela Avenida Afonso Pena e Rua Antônio Maria Coelho. A falta de iluminação no interior do parque é reivindicação antiga da população, que costuma utilizar o local para o lazer. Ao anoitecer, muitas pessoas preferem caminhar, correr e fazer outros exercícios na avenida Afonso Pena, devido à escuridão dentro do parque. A Secretaria Estadual de Obras garantiu que a revitalização nada tem a ver com o projeto de construção do Aquário Pantanal, a ser instalado no local e que vai abrigar 263 espécies de peixes, entre elas, espécies pantaneiras.
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".