RECURSOS

Reunião debate ações do FCO para Estado

Reunião debate ações do FCO para Estado
26/04/2011 01:00 -


Acontecem simultaneamente nesta terça-feira (26) em Campo Grande/MS a 19ª Reunião Extraordinária e 59ª Reunião Ordinária do Conselho Deliberativo do Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste (Condel/FCO). Na ocasião, representantes dos Governos dos Estados, Ministérios afins, instituições financeiras e federações vão deliberar sobre proposições no âmbito da programação do Fundo para 2011. A programação acontece das 9 às 17hs na Famasul.

Na abertura dos trabalhos o Ministério da Integração Nacional fará uma breve apresentação sobre a atuação da Secretaria de Desenvolvimento do Centro-Oeste (SCO). Também a Fundação Banco do Brasil apresentará o Programa Produção Agroecológica Integrada Sustentável (PAIS). A seguir o Banco do Brasil irá relatar o desempenho das contratações do Fundo no período de janeiro a março desse ano. Ainda no período da manhã o supervisor do Departamento de Transferência de Tecnologia da Embrapa e pesquisador Luiz Adriano Maia Cordeiro ministrará uma palestra sobre o Programa ABC - Agricultura de Baixo Carbono.

Entre as proposições, um total de seis, destacam-se os seguintes temas a serem deliberados pelo Conselho: criação do Cartão FCO Empresarial, critérios de repasse de recursos e de beneficiários a instituições financeiras credenciadas, critérios para a Linha de Financiamento de Empreendedor Individual, e criação de Grupo de Trabalho para ajustes nas Normas de Concessão e Acompanhamento das Operações de Financiamento.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".