Sábado, 24 de Fevereiro de 2018

ARTILHEIRO PARAGUAIO

Retirada de bala não prejudicará Cabañas, diz médico

17 DEZ 2010Por DA REDAÇÃO16h:25

A eventual extração da bala que permanece alojada na cabeça de Salvador Cabañas, atacante paraguaio que foi vítima de um tiro em janeiro deste ano, "não mudará em nada seu estado atual", afirmou nesta sexta-feira o neurologista Celso Fretes.
María Lorgia Alonzo, esposa do ex-jogador do América do México, revelou que a equipe médica que cuida do atleta analisa a possibilidade de extrair o projétil para que ele possa voltar aos gramados de futebol, ainda que seja apenas para um período inicial de recuperação física.

"Retirar o projétil não mudará nada a sua vida e seu estado atual neurológico", afirmou Fretes, comentando sobre as lesões cerebrais que diminuíram a capacidade de visão do olho esquerdo e anularam a memória imediata do jogador.

O médico esclareceu a jornalistas paraguaios, porém, que "eventualmente uma nova cirurgia no crânio representará alguns cuidados pós-operatórios que iriam durar de duas a três semanas e atrasariam sua atual terapia física e intelectual para recuperar suas capacidades".

Cabañas, de 30 anos, recebeu em janeiro passado um tiro na cabeça durante uma briga em um bar na Cidade do México. Por causa do ocorrido, ele não pôde defender o Paraguai na Copa do Mundo da África do Sul, depois de ter marcado presença com destaque na seleção do país nas Eliminatórias da competição.

Na última quinta-feira, insatisfeito com uma decisão da Federação Mexicana de Futebol, Cabañas apelou à Corte Arbitral do Esporte (CAS), contra o América, para reaver supostos salários atrasados que somariam cerca de US$ 2 milhões. Os dirigentes do clube argumentam que não podem continuar pagando os vencimentos do atleta porque o incidente, quase fatal para ele, não teve relação com a atuação do jogador pelo time.

Leia Também